Resenha #116 | O Vale dos Mortos, de Rodrigo de Oliveira | Faro Editorial

Sinopse: 2017... Uma profecia esquecida do Livro do Apocalipse, reiterada por outros profetas modernos, ressurge…
Cientistas descobrem um planeta vermelho em rota de colisão com a Terra. Depois de muito pânico nos quatro cantos do mundo, eles asseguram que o astro passaria a uma distância segura de nós. E todos ficam tranquilos acreditando que nada iria acontecer…
Então 2/3 de todas as pessoas no Planeta caem desmaiadas, vítimas de um estranho surto… "E abriu-se o poço do abismo, de onde saíram seres como gafanhotos com poderes de escorpiões. E os homens buscarão a morte e a morte fugirá deles.” Apocalipse 9,2-6.
E um grupo luta para sobreviver num mundo dominado pelo mal.
Com passagens por São Paulo, Brasília, Estados Unidos, China e França, "O Vale dos Mortos" baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa orbita, fatalmente desencadearia uma transformação de grande parte da humanidade, não havendo lugar seguro e ambientes sem infecção, pois ela ocorreria simplesmente pela aproximação do astro. Pegos de surpresa, e tentando entender o que acontecia enquanto buscavam se salvar, um casal e seus filhos iniciam uma jornada para restabelecer alguma condição de vida no que restou de seu próprio mundo.
Uma história com muita ação e suspense, que vai deixar você eletrizado.
As Crônicas dos Mortos #1 | Rodrigo de Oliveira | 304 páginas | Faro Editorial | Avaliação: 4/5 | Skoob

O ano é 2017 e o mundo está em pânico com a notícia de que um planeta está em rota de colisão com a Terra. Cientistas descobriram que um planeta até então desconhecido estava muito perto de chocar contra nosso planeta e todos sabiam que só havia um resultado para isso: destruição total. Não havia como se esconder. O planeta já estava perto demais. Tudo virou um verdadeiro caos, com pessoas correndo aos supermercados, na esperança de estocarem comida, e líderes religiosos preando a salvação para igrejas e templos lotados.

O planeta em questão chama-se Absinto, o mesmo presente na profecia do fim do mundo, do livro bíblico Apocalipse, que diz que o corpo celeste cairia sobre a terra, causando grande sofrimento ao tocar da terceira trombeta. Grande foi o alívio da população mundial quando os cientistas e pesquisadores anunciaram que, não, o encontro entre planetas não ocorreria, mas provocaria um espetáculo no céu. Quando Absinto chegou a seu ponto mais próximo da Terra, todos estavam maravilhados, mas o que aconteceu a seguir foi ainda pior do que a morte.

Aquelas crianças não estavam reconhecendo os próprios pais; era como se tivessem se convertido em soldados de um instante para o outro. Não sabiam no que os pais iriam se transformar com o passar do tempo. Matheus e Ana não faziam ideia de que se achavam diante de dois dos maiores predadores vivos da Terra.
Naquele dia, se Deus existia de fato, decerto preferiu desviar o olhar. Porque aquele planeta não trouxe apenas um belo espetáculo.

Era sábado e, como de costume, Ivan, Estela e os filhos saíram para passear na cidade, se divertir, fazer compras e resolver pendências. Mas naquele dia tudo foi diferente, começando com o aumento brusco da temperatura e os termômetros marcando mais de 40º em pleno inverno. E então, quando estavam no shopping, a grande maioria das pessoas simplesmente desabou e, quando levantaram novamente (foram poucos os que, de certo modo, tiveram a sorte de morrer e não presenciar o que estava por vir), haviam se transformado em criaturas horrendas, com olhos de um branco vazio e sedentas por carne humana.

Eu comecei a ler O Vale dos Mortos com expectativas bem altas. Nunca curti histórias com zumbis porque, para mim, é praticamente sempre a mesma coisa: um bando de pessoas fugindo das criaturas, formando grupos de sobreviventes e tentando resistir, sem esperanças de quando tudo irá acabar. De certa forma, a obra de Rodrigo de Oliveira tem suas diferenças, mas não se mantém tão distante desse princípio. Ivan e Estela passam dias lutando contra zumbis e a maior motivação do casal é a sobrevivência dos filhos. Aos poucos eles encontram mais pessoas no caminho e logo formam um grupo grande. A incerteza em relação ao futuro e a necessidade de se defenderem faz com que o envolvimento entre os personagens seja instantâneo.

Enquanto as pessoas se divertiam conhecendo os tanques, Ivan reuniu seu grupo de combate e começou a relatar aos demais a aventura. Estava muito orgulhoso de todos; mataram todos os zumbis do quartel. Produziram uma carnificina digna de um filme de terror B, de tão fácil que foi tarefa.
Por sua mulher, por seus filhos, pela sua própria vida, ele tinha que derrubar aquele demônio.

Achei incrível a forma como o autor colocou a origem dos zumbis, baseando-se em uma profecia bíblica, mas as referências acabaram aí. Confesso que eu esperava um pouco mais, considerando até os versículos citados. Mas enfim, outra coisa que gostei foram os confrontos internos da comunidade iniciada por Ivan e em como eles eram resolvidos. Ivan é um ex-militar com ótimas estratégias, então é natural sua ascensão à liderança, mas vez ou outra um novo membro discorda disso, coisa que dura pouco, pois o homem prova que é merecedor do cargo, ao lado da esposa. Todos o respeitam.

A minha experiência com dessa obra foi cheia de altos e baixos. O enredo começou de uma forma muito boa, com toda a euforia de sobreviver, mas, lá pela metade, a leitura desandou e eu demorei bastante para voltar ao ritmo anterior. Foi durante um ponto em que eu fiquei cansada dos personagens, pois, conforme o grupo ia crescendo, a impressão era de que eles se tornavam cada vez mais indestrutíveis, sem enfrentar muitas dificuldades – chegaram até a destruir cerca de 300 zumbis apenas com manobras de um ônibus. Sem contar que encontrar o Lula zumbi atacando a Dilma foi meio demais pra mim. No entanto, aos poucos isso foi melhorando e, quando cheguei ao final, estava relativamente satisfeita.

É complicado conduzir um grupo grande de pessoas e manter tudo na paz. Nos últimos tempos essa condição de serenidade é quase impossível, uma vez que o ser humano parece ser naturalmente propenso a fazer o mal. Então é de se imaginar que o a comunidade de Ivan não viveria para sempre sem se desentender. Alguns acontecimentos abalam bastante a convivência do grupo e essa foi uma das partes que mais me interessou e motivou minha vontade de continuar lendo até as últimas páginas.

A raça humana tem demonstrado ao longo dos séculos uma imensa capacidade de resistência, de adaptação aos cenários mais desfavoráveis.
Eles descobriram que o inimigo tinha o tamanho proporcional à importância que se dava a ele, e naquele momento os zumbis não punham medo em ninguém.

Não foi uma leitura perfeita, teve suas partes positivas e negativas e eu demorei bastante para concluir, tanto que completei algumas outras leituras durante essa, mas foi uma boa experiência. É muito legal ver os personagens vivendo em cenários brasileiros, uma vez que boa parte da trama acontece em São José dos Campos. Tenho que dizer que as cenas de luta contra os mortos-vivos são bem detalhadas e dá até para visualizar o grupo se mobilizando para atacar. Eu ainda vou pensar bastante se continuarei acompanhando a série, mas quero acreditar que valha a pena ir até o fim para ver as perdas e conquistas do grupo e onde isso tudo vai parar.

Simplesmente não posso deixar de citar o trabalho da Faro Editorial, que ficou impecável! O exemplar é de uma qualidade que eu nunca havia tido em mãos antes, a começar pelas folhas, que são mais encorpadas, com uma espessura diferente do normal. O interior do livro, com algumas páginas negras, ficou lindo demais. A única coisa que de fato me incomodou foi o tamanho de alguns capítulos, que realmente ficaram grandes demais, mas dá para compreender.

Acompanhe-nos:

Comentários

  1. Olá
    Eu sou muito fã de livros com temáticas assim tanto zumbi quando fui mais tempos de outras formas. Essa obra está em meus desejados desde que o conheci kkk. Espero ter a chance de começar a série em breve. Adorei ler as suas opiniões sobre essa primeira obra. Até mais ver
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Interessante, não esperava essa resenha... ainda mais depois de você falar mal de mim para diversos parceiros da Faro Editorial, classificando meus diálogos como "muito falsos".

    Sinceramente essa me parece ser uma resenha de alguém que não curtiu o livro (o que não é um problema, gosto não se discute), mas que suaviza o discurso e ainda dá uma nota alta para não perder a parceria com a editora (o que é absurdamente desonesto).

    Mas tudo bem, soube que você alertou vários blogueiros para eles não lerem meus livros, inclusive contando piadas de péssimo gosto sobre o meu trabalho, portanto sei exatamente a verdade. Fico feliz que vocês tenham se divertido enquanto criticavam minhas obras, sem sequer terem lido.

    Sinceramente Fernanda, você achou mesmo que eu não ia ficar sabendo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Sim, no início eu realmente achei algumas falas forçadas, tanto que demorei para conseguir me envolver com a leitura. E algumas cenas, como a da Dilma, foram demais para mim. Não alertei outras pessoas a não lerem, até comentei que poderia ser uma experiência diferente com outros leitores, o que, de fato, foi. Foi bem errado de minha parte os comentários que fiz, tanto que logo depois me senti culpada. Mas não pense que dei uma nota alta para manter a parceria, nunca fiz algo assim e digo que nem penso nisso. Se dei a nota que dei, é porque, como citei na resenha, outros aspectos me agradaram e gostei bastante do final, tanto que até fiquei curiosa em relação à continuação, mas não pretendo ler. Não era minha intenção causar tamanho problema, peço sinceras desculpa.

      Excluir
  3. Olá! Tudo bom?
    Entendo quando disse que não foi uma leitura perfeita, como trata-se de um tema já bem explorado, fica difícil surpreender né?! Mas realmente deve ser legal ver os cenarios brasileiros inseridos nesse tipo de narrativa.
    Beijos, Joyce de Freitas.

    ResponderExcluir
  4. Gosto de ver recomendações e novos autores nacionais se destacando nos diferentes gêneros. Confesso que fiquei curiosa, mais ainda com as coisas que te incomodaram no livro. Acredito que alguns autores usam esses recursos propositalmente para fazer o leitor sair da zona de conforto. Não sei se foi o caso, mas me pareceu.
    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Oi Fernanda.

    Eu conheço muito pouco sobre o livro, mas pelas informações que tenho sobre ele e conhecendo um pouco mais na sua resenha, eu quero muito lê-lo. Uma que li A noite dos Mortos vivos recentemente e gostei bastante. E sabendo que se trata de zumbis entrou na lista. Pena que a leitura foi cheia de altos e baixo, mas espero ter a oportunidade de conhecer a escrita do autor algum dia.

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Olá
    O que me deixa mais curiosa com o livro é o cenário brasileiro, sempre que leio ou assisto um filme catástrofe fico pensando o que será que está acontecendo no resto do mundo, e brasileiro tem mania de por suas obras ao redor do mundo e não aqui no seu país, então só por isso já vale a pena para mim, e pela resenha já dá para notar que tem muita ação e estou precisando muito de ação.

    ResponderExcluir
  7. Oie!

    Eu não sou fã de livros de Zumbi, o único livro que li e amei infelizmente não foi lançado as continuações no Brasil, a sua resenha é a primeira que leio que não é 100% positiva em relação a essa obra, mas como não gosto passo a dica, mas acredito que nos próximos volumes a história melhore!


    Bjss, vem participar do nosso sorteio serão três ganhadores, valendo um livro Fuck Love, um livro surpresa + um kit de mimos não perca a oportunidade! http://resenhasteen.blogspot.com.br/2017/08/sorteio-do-desapego-3-ganhadores.html

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Nunca peguei uma história com a temática para ler, mas tenho curiosidade!! Só fiquei com um pouco de medo dessa capa hahaha teria que evitar ficar olhando pra ela durante a leitura... Ótima resenha e escolha de livro, viu? Parabéns!
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    Não sou muito de ler livros com zumbis porque dificilmente me prendem até o final mas fiquei curiosa para ler Vale dos Mortos, acho que por ser um nacional. Uma pena que sua leitura tenha tido pontos negativos, eu mesma fiquei bastante interessada na história. Não conhecia o título e vou pesquisar mais informações sobre. Obrigada pelas dicas!
    Beijos,
    Karina.

    ResponderExcluir
  10. Oii
    Eu adoro zumbis, mas nunca li nenhum livro que os tenha como 'principais' no enredo. Acho a ideia do autor muito boa, já que NUNCA vi um livro de zumbis que se passa no Brasil. Sempre achamos que isto irá começar em algum outro lugar.
    Uma pena que a leitura começou fluida e deu uma estagnada no meio, mas pelo que entendi a avaliação geral é de que o livro é bom, certo?
    Vou pensar mais a respeito, ainda não sei se quero ler um livro sobre zumbis. =)

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir
  11. Lula zumbi atacando a Dilma? Oi? hahahaha bizarro. Eu gosto de livros com essa pegada de apocalipse, zumbis etc, mas infelizmente o livro não me interessou e irei passar a dica! Gostei muito da sua resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. oie, legal saber que esse livrro é cheio de altos e baixos. uma amiga me indicou, mas eu não fiquei tão interessada pois não gosto dessa pegada meio zumbi. também acho bizarro essa coisa do zumbi dilma e lula, eheh, mas concordo com você que é muito interessante acompanhar uma obra que se passa em cenários conhecidos. Eu não tenho vontade de lê-lo no momento, mas quem sabe para o futuro.

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Já tinha ouvido falar no livro, mas a premissa não me chamou tanto a atenção, mas quem sabe em outro momento eu arrisque...

    ResponderExcluir
  14. Olá. Fico feliz sempre que vejo um autor nacional ganhando espaço. No entanto, passarei a dica porque não gosto de livros com tramas de terror. Sou muito impressionável. Espero que ele seja bem sucedido e que encontre muitos leitores!

    ResponderExcluir
  15. Oiii!

    Eu não curto muito esse estilo de livro, mas ele já ganhou um ponto por se passar aqui no nosso país. É um pouco estranho, hahahaha, mas eu curti o que falou. Mesmo com tantos altos e baixos, não foi uma leitura perdida e isso é bom!

    Beijnhos

    ResponderExcluir
  16. não curto muito esse negócio de zumbi, mas li o Elevador 16 e achei mega envolvente!
    Aí estou esperando uma promoção boa pra comprar esses livros.
    Gostei de saber um pouco mais da história aqui no seu blog!!

    Beijos!

    #Ana
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  17. Oi, Fernanda, tudo bom?
    Entendo que não tenha sido uma leitura perfeita, ainda mais quando o assunto principal é um que não temos muita afinidade. Eu tenho curiosidade para conhecer os livros do autor, pois gosto bastante de zumbis e vejo vários comentários positivos sobre a série. Se eu tiver oportunidade, lerei. Parabéns pela resenha!

    Abraços,
    http://claqueteliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Oie!
    Já aconteceu de eu ler um livro que começou bom e depois ficou um pouco fraco, mas depois melhorou, rs.
    Ainda não li o livro, mas tenho curiosidade para conferir.
    bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem? Um dos fatos que me fazer justamente não ler o livro é o tema zumbis. Não curto muito, aliás confesso que não curto mesmo, e por isso me mantenho longe. Sabendo agora dos altos e baixos que possui, fiquei menos animada ainda. Ótima e sincera resenha!
    Beijos,
    https://diariasleituras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bem? Nossa que história essa de Lula e Dilma no meio (?) RI ALTO. Confesso que já tenho birra e não curto muito coisas de zumbis. Somados a um enredo que tem altos e baixos, não sei se seria uma leitora para mim. Não curto esse thriller/terror/suspense, mas acho que a história funciona para quem curte o universo. Ótima e sincera resenha <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Eu confesso que só li um livro com tema zumbi em minha vida e gostei bastante. A história teve um diferencial que foi baseado na bíblia, mas como você disse é parecido com outros livros, mas fiquei com aquela pontinha de curiosidade em conhecer a história. Vai que eu goste assim como foi o outro livro.
    Adorei a sua resenha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  22. A temática não me agrada, confesso... Mas achei a edição do livro muito bonita, o que tem sido uma marca registrada da Faro... Parabéns pelo teu post!

    ResponderExcluir
  23. Oiiiiii eu amei a sua resenha. Não gosto de livros com zumbis, como você falou sempre é a mesma coisa 😂😂 mas a sua resenhá foi boa que fiquei bastante interessada em conhecer e tudo também depende da escrita do autor e com certeza isso faz uma diferença total.

    Abraços

    Jhenny Alves
    Www.sussurrandosonos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #124 | China de Papel, de Fabiano Lima