Resenha #105 | O Triturador, de Niall Leonard | Editora Bertrand Brasil


Para encontrar o assassino, ele precisou se tornar um.

FICÇÃO/SUSPENSE | 320 PÁGINAS | BERTRAND BRASIL | AVALIAÇÃO 4/5 | SKOOB


Depois do assassinato do pai sob circunstâncias bem curiosas, a vida de Finn Maguire se transforma completamente, principalmente porque ele vira o único e principal suspeito e agora precisa lidar com as investidas do inspetor Prendergast, encarregado de achar o responsável pela morte de seu pai. Intrigado pelos motivos que levaram a esse crime, ele resolve procurar respostas por conta própria, envolvendo-se com pessoas extremamente perigosas e vivendo coisas que nunca imaginaria.

Finn nunca foi um garoto ilustre. Com 17 anos, ele já abandonou os estudos e leva a vida trabalhando no caixa de uma lanchonete às margens da falência. Disléxico, ele nunca aprendeu a realmente ler, sabendo apenas o necessário para se virar na vida, e por isso não tem grandes esperanças de conseguir um trabalho de grande valor. Seus dias são empurrados com a barriga, sem grandes emoções, resumindo-se da casa ao trabalho e aos exercícios matinais que ele faz questão de não interromper.

Desde que haja mais gente na plateia do que no palco, o show deve continuar.

Todo esse fracasso ele agrega à mãe, que abandonou a ele e ao pai há muitos anos. O relacionamento entre Finn e seu pai nunca foi dos melhores. Noel é um roteirista que não se deu bem na vida, mas que segue firme escrevendo roteiros sobre os mais variados assuntos, fiel de que seu sucesso ainda vai chegar. Ele é acostumado a passar horas fora de casa, frequentando bares e conversando com estranhos para conseguir detalhes para suas histórias, até o dia em que é espancado até a morte em seu local de trabalho: a mesa de casa.

Muitas coisas acontecem após o assassinato e Finn está destinado a descobrir quem matou seu pai e qual o motivo disso, mas o garoto acaba se envolvendo em coisas que não compreendia e cada passo que ele dá é um risco a mais que ele corre. Pessoas estão atrás dele por motivos que até então desconhecemos e Prendergast continua tentando culpá-lo por algo que ele não cometeu.

Papai tinha feito sucesso no começo da década de 1990. Durante algum tempo, foi o ator irlandês favorito do público. Chegou até a ser premiado como Melhor Ator Revelação. A estatueta de bronze permanecia na cornija da lareira, justando uma poeira irônica. Desde então, foi tudo morro abaixo.

O Triturador é uma montanha russa de acontecimentos e reviravoltas. Somos apresentados a diversos gêneros literários em um único exemplar e isso pode ser tanto bom quanto ruim, vai depender muito das suas preferências de leitura. Em algumas páginas acompanhamos os primeiros passos de um romance, onde muitas das sensações são novas para nosso protagonista; há aquelas partes repletas de ação, lutas e ossos quebrados, que, para mim, foi onde a leitura fluiu mais rápido; e também teve os momentos de tensão, mistério e suspense, quando Finn estava à espreita das pessoas que considerava suspeitas pela morte do pai e foi nesse momento que a leitura se tornou devagar para mim.

São necessárias várias páginas de investigação pela parte de Finn até que apareça uma cena de maior ação, mas quando essas aparecem, os apaixonados por lutas e sangue não têm do que reclamar, pois a narração do nosso personagem principal muitas vezes é bem violenta. E isso contrasta bastante com os momentos onde ele se encontra com uma garota, ou quando está pesquisando sobre as vidas dos supostos envolvidos no assassinato do pai.

Senti uma pontada de culpa ao lembrar que o emprego era apenas uma desculpa para conseguir informações. Se não descobrisse nada, não tinha por que mantê-lo. Ou tinha?

Foi só lá pelas tantas que eu realmente fui descobrir o significado do título e das ilustrações da capa do livro. Até então, estava bem confusa a respeito de quem ou o quê era o triturador. Já estava ficando decepcionada achando que não tinha nada a ver, mas eu estava na escola quando cheguei na cena que explica as coisas e fiquei tipo “UOU, então é isso”, hahah. E são em cenas como essa que podemos ver a incrível transformação que Finn enfrentou, saindo do conformismo da vida miserável e tornando-se algo bem diferente, até conquistado coisas que nunca passou pela sua cabeça possuir.

Todos os personagens foram muito bem construídos e, independentemente de serem vilões ou heróis (que, ouso dizer, não tem quase nenhum), sempre marcam presença quando é sua vez de aparecer, captando toda a atenção do leitor nos diálogos que se seguem. Um dos personagens que mais me impressionou foi McGovern, um dos mais conhecidos e temidos criminosos da região. Todos sabem da sua fama de assassino, mas o homem continua sendo o homem mais poderoso, vivendo em sua mansão, controlando a todos que pode e cobrando favores, justamente porque pessoa nenhuma consegue provar todas as atrocidades que ele já cometeu. Ele faz o que quer e sai impune porque qualquer um que tentar cruzar seu caminho é morto sem dó.


A inveja é o que nos mantém esfomeados e vorazes, dizia, o que eu não entendia, porque vivia com fome quando criança e nunca me acostumei com isso.

O trabalho da editora ficou ótimo e eu adorei essa capa, mais ainda depois que entendi o significado dela. A única ressalva são os diversos erros de digitação e revisão que eu encontrei durante a leitura, como letras faltando ou palavras erradas. Também senti falta de alguma informação na capa que dissesse se tratar de uma trilogia, pois só descobri isso por conta de pesquisas na internet. A trilogia já está completa no exterior; foi escrita por Niall Leonard, esposo de E. L. James e roteirista de Cinquenta Tons Mais Escuros.

Eu recomendo O Triturador para quem gosta de um bom suspense com altas doses de adrenalina. O autor não tem medo em exagerar nos detalhes das lutas entre os personagens, tanto que algumas das coisas que aconteceram, a meu ver, pareciam até impossíveis, considerando as circunstâncias. O enredo possui alguns palavrões, o que não me agradou muito, mas mesmo desconsiderando isso, não é uma obra que pretendo reler em breve, apesar dos pontos positivos.


Comentários

  1. Olá
    Eu não conhecia o título, mas como gosto do gênero suspense, devo dizer que fiquei bem curiosa quanto a este desenvolvimento e sobre a construção dos personagens. Confesso que fiquei bem curiosa sobre a capa e o significado do título, como você chegou a mencionar que não descobriu logo de começo né?
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Nunca tinha escutado falar sobre esse livro,mas a sua resenha me deixou muito curiosa e a sinopse me pareceu muito interessante!
    Fiquei com pena do protagonista, me pareceu que ele sofre um bocado,já quero ler esse livro!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Apesar de ter demorado para entender tudo, que bom que foi tipo “UOU, então é isso”, risos'. Que bom que todos os personagens foram bem construídos, isso faz toda diferença em uma história. Primeira vez que vejo esse livro, a resenha fico muito boa. Dica anotada. Beijos'

    ResponderExcluir
  4. Oie, tudo bom?
    Não sabia nada sobre esse livro, então sua resenha foi deliciosa de se ler! Amo mistério, e esse é um dos bons! Espero poder ter a chance de conferir em breve! Adorei a capa, e espero por mais dicas desse tipo ^^

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Ahhh que pena que a leitura se tornou mais arrastada justamente na parte de mistério e suspense, porque são justamente essas partes que iriam chamar mais a minha atenção, por ser um dos meus gêneros preferidos, mas é como você disse, depende muito do gosto. Eu por exemplo, acho que não teria tanta fluides na parte do Romance, porque não gosto muito. Com certeza as cenas de ação são as melhores para nos fazer seguir com a leitura, nos deixa animados. Esse livro me chama muita atenção, tem muitas elementos que eu gosto e por isso acredito que seria uma ótima leitura para mim. Dica anotada!
    Beijos,
    Nay
    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  6. Fiquei curiosa quando você falou que temos vários gêneros presentes. Isso pode funcionar muito bem ou pode dar super errado. Eu quase solicitei esse livro na época do lançamento, mas acabei ficando com receio por não conhecer o autor.
    O fato da narração ser violenta em dados momentos também me agrada, pois o enredo como um todo, ao meu ver, combina mesmo com violência.
    Estou mais disposta a fazer essa leitura, mas agora ela terá que esperar um pouquinho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oiiii,

    Deus pra ver como o livro te conquistou pela maneira como você escreveu, mas admito que não chamou tanto a minha atenção por conta do suspense, eu fico muito aflita querendo saber o que vai acontecer logo e acabo pulando pagina só pra ter uma previa do que vai acontecer kkkk. Fiquei muitooo curiosa pra entender quem ou o que é o triturador e porque das imagens, mas desanimei bastante por conta dos erros de digitação e tal, isso é algo que me incomoda muito em uma leitura e se for muito eu até largo o livro :(

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Fernanda!
    Me pareceu muito interessante essa mistura de gêneros em uma trama só (as possibilidades que isso traz são infinitas né?), geralmente encontro pessoas que preferem as partes de romance, mas acho que comigo aconteceria o mesmo que com você e a leitura das cenas de ação fluiriam mais rápido, afinal, geralmente são essas cenas que nos mantem interessados na história. Fiquei pensando no nome do autor (porque eu tinha certeza de que não me era estranho), mas só liguei o nome à pessoa quando você explicou quem era no final hahaha E nossa, poderiam sim indicar que é uma trilogia, esse tipo de informação é crucial para eu escolher se leio um livrou ou não, por exemplo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oláa!!
    Ainda não conhecia esse livro, mas adorei a premissa!!
    Gostei bastante de ele misturar vários gêneros em um, pois a narrativa deve fluir melhor e agradar a todos os gostos.
    Ainda assim, prefiro a parte do suspense, mesmo você dizendo que achou mais parada rsrs É bem o estilo que gosto de ler...
    Dica anotadíssima!!
    Um beijo

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    Essa mistura de gêneros provavelmente daria tiuti no meu cérebro, que já não está lá essas coisas.
    A maior parte do qur você falou sobre o enredo desperta meu interesse. E, no geral, acho que é uma leitura que eu gostaria de fazer.
    Só um adendo: as editoras deveriam se atentar mais em dizer que o livro é parte de uma serie ou trilogia. Ate porque é um saco quando gostamos do livro e depois descobrimos que a continuação nao será lançada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Estava em busca de um livro de suspense com essa dose de tensão e acho que vou adorar a leitura. Amei as fotos que você postou, me deu vontade d e ter um livro deste em mãos agora.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oii Fernanda, como vai? Eu sou apaixonada por esse gênero, então já tinha ficado curiosa com a leitura. Agora, sabendo tua opinião e mais detalhes sobre o enredo, fiquei ainda mais interessada! Especialmente com esse suspense e cenas de ação mais sangrentas! Tenho reparado em alguns erros bem feios de revisão nos livros da Bertrand :(
    Fiquei curiosa para saber o significado desse título agora :o O que será??
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia a obra, mas fiquei bem interessada. Parece ser uma trama bastante envolvente, gosto muito desse gênero de leitura. Fiquei morrendo de pena de Finn, que além de perder o pai, torna-se um suspeito de sua morte. Olha, estou bem curiosa para saber qual é a relação do título e da capa com a história. Dica anotada!

    Tatiana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

[Divulgação] Zip Anúncios