Resenha #84 | Confissões de um amigo imaginário, de Michelle Cuevas | Editora Galera Junior


Então, fui embora, na direção de quê, eu não sei. Uma nova transferência, eu supus. Um novo pontinho no Mapa de Mim.
FICÇÃO JUVENIL | 176 PÁGINAS | GALERA JUNIOR | AVALIAÇÃO: 5/5 | OFERTASSKOOB


Jacques é um menino igual a todos os outros. Tem um pai, uma mãe e é o irmão gêmeo de Fleur. Porém ele sente que ninguém gosta dele – apenas sua irmã – já que ninguém o responde e o ignoram sempre que tenta falar algo.

Mas os problemas de Jacques começam quando ele ouve uma conversa de seus pais e descobre que Fleur aparentemente tem um amigo imaginário que ela nunca apresentou a ele. Assim, tomado pelo ciúme, ele resolve que está na hora de também ter um “amigo imaginário”. Jacques o leva a todos os lugares e quando Fleur pede aos pais mais um lugar na mesa e mais um ingresso no cinema para o amigo de Jacques, as coisas começam a ficar preocupantes.

Os pais de Fleur sempre foram bastante pacientes e compreensíveis aceitando o irmão gêmeo imaginário da filha, porém as coisas estavam tomando rumos diferentes e proporções preocupantes.

– O grande problema é – continuei – que eu tenho me perguntado qual o sentido de eu existir, se é que existe algum. 


Tudo muda realmente na vida de Jacques quando ele encontra outra amiga imaginária em uma pracinha e ela lhe fala sobre o que é um amigo imaginário. O menino então se dá por conta de que Fleur não tem outro amigo imaginário, porque na verdade ele é o amigo de Fleur, já que ela o imaginou como é.

Então, apesar de Jacques gostar muito da sua vida e de Fleur, ele pede para que a menina o liberte, pois ele não quer ser apenas alguém imaginário, ele quer muito mais do que isso, quer saber quem ele realmente é.

No entanto, Jacques age de forma precipitada seguindo as instruções de alguém muito mal e não se vê sendo liberto. Ele passa a ser o amigo imaginário de outra pessoa. Assim, começa a aventura de Jacques através do mundo imaginário.

Não sabia o que esperar desse livro, mas ele logo chamou minha atenção, apesar de ser de um gênero mais infanto-juvenil. Me surpreendi com a história de Jacques e me vi emocionada com o final.


... Eu suponho que não existir pode até ser confortável. É como ser etéreo, ir esvoaçando, poder entrar e sair de lugares despercebido. Não ter amigos e, portanto, ninguém para perder.

Jacques passa por vários lugares e vive muitas coisas diferentes e nos ensina, entre outras coisas, como é importante nos colocarmos no lugar do outro, já que em um momento ele se torna algo que ele não gostava. Dessa forma, ele pode compreender o ponto de visto do outro e aprendeu a admirar o próximo. Enfim, muitas lições podem ser tiradas desse livro tão encantador.

O livro é narrado em primeira pessoa, pelo Jacques, então temos apenas o ponto de vista dele durante a leitura, o que não é um defeito de jeito nenhum, já que ver tudo como ele vê, se torna muito interessante. A história é bem curta e a fonte é bem grande, o que ajuda as crianças a lerem e durante a leitura, vemos também algumas figuras bem divertidas, que chamam a atenção dos pequenos.

É um ótimo livro para os pais lerem para seus filhos, pois pode ser lido por pessoas de diferentes idades, já que todos podemos aprender um pouco com a história. Apesar de ser um assunto delicado, pois fala sobre a imaginação das crianças, é uma leitura bem leve e divertida.


Título: Confissões de um amigo imaginário
Autora: Michele Cuevas 
Páginas: 176
Editora: Galera Junior 
Ano: 2016 
Avaliação: 5/5
Sinopse: Uma imperdível aventura de alguém que descobre existir apenas na imaginação de uma garotinha. Um livro para todos aqueles que, um dia, já se sentiram à margem, deixados de lado... invisíveis Jacques tem uma leve suspeita de que ninguém gosta dele. Professores o ignoram solenemente quando levanta a mão e até mesmo seus pais precisam ser lembrados de colocar um lugar à mesa para ele! Graças a Deus por Fleur, a irmã e companheira constante. Mas então Jacques descobre uma verdade devastadora: ele não é o irmão de Fleur; é seu amigo imaginário! E aí começa uma tocante e divertida busca por seu eu verdadeiro. Uma imperdível jornada em busca do significado da vida leva Jacques de encontro às mais peculiares crianças, imaginárias e reais, e o faz descobrir a incrível e invisível maravilha de ser quem se é.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #124 | China de Papel, de Fabiano Lima