Resenha #78 | De Volta a Blackbrick, Sarah Moore Fitzgerald | Galera Record


– Ele tem uma doença rara que, do nada, faz com que fique violento com qualquer um que resolva fazer perguntas idiotas sobre pessoas que não conhece.
INFANTO JUVENIL/FANTASIA | 240 PÁGINAS | GALERA RECORD | CLASSIFICAÇÃO: 5/5+ | OFERTAS | SKOOB


Em De Volta a Blackbrick, Sarah Moore Fitzgerald nos apresenta uma linda relação entre Cosmo – que, a propósito, detesta seu nome – e seu avô, Kevin. Depois de ser abandonado pela mãe com a desculpa de que boas oportunidades a aguardavam em Sydney, Cosmo passou a viver com seus avós e levava uma vida perfeitamente tranquila e extrovertida, com apenas alguns solavancos vez ou outra.

Os problemas começaram quando Kevin foi diagnosticado com Alzheimer e passou a esquecer desde coisas simples, como onde ficava o banheiro, até o fato de que o próprio neto, Brian, havia falecido há alguns anos antes. A partir disso, virou o objetivo de Cosmo fazer de tudo para que o avô voltasse a se lembrar das coisas ao seu redor. No entanto, tudo complicou quando Dee Dee, avó de Cosmo e esposa de Kevin, aceitou a condição do marido e assumiu que não tinha mais volta. Assim ela decidiu que seria melhor para todos se o senhor fosse enviado para uma casa de repouso e seu neto passasse a morar com o tio.

As pessoas acreditam que o passado permanece sempre igual, mas não é verdade. Ele muda exatamente da mesma maneira que o presente, e as pessoas dele mudam também.


Quando tudo aparentava estar perdido, Kevin pareceu recuperar a sanidade por um curto espaço de tempo – ou perdê-la por completo – ao pedir ao neto que prometesse algo: Cosmo deveria pegar a chave dos Portões-Sul e ir até Blackbrick. Simplesmente isso. E quando o garoto finalmente decidiu fazer as vontades do avô e cruzar os Portões-Sul, ele nunca imaginou que as coisas nunca mais seriam as mesmas, mas o garoto viu que algo estava seriamente diferente quando seu avô apareceu em sua frente. Com 16 anos de idade...

Foi gratificante para mim acompanhar as descobertas de Cosmo enquanto ele explorava todos os acontecimentos e observava as curiosidades de ser um viajante do tempo. Toda a história nos é contada através dos olhos de um menino apaixonado por cavalos devido a influência do avô e que, agora, luta para tentar reverter a perda de memória dele.

Mesmo quando as coisas não fazem sentido algum e você está se sentindo muito estranho, percebi ao longo do tempo que há um cheiro que pode servir de grande alento. E este cheiro é o de torradas.


De Volta a Blackbrick foi uma obra que me provocou inúmeras emoções e reações. Em um minuto eu ficava com vontade de esganar o protagonista por não fazer o que eu esperava dele e, no próximo, já estava descabelada por conta de uma atitude besta. No entanto, é claro que fiquei muito emocionada com a ligação entre Cosmo e seus avós e a indignação do menino diante do abandono de sua mãe. Os comentários sobre o fato são realmente chocantes.

Eu adorei cada um dos personagens inseridos na história, mas meu favorito com certeza foi a versão jovem de Kevin, que demonstrou tanta sabedoria e apresentou grande fidelidade ao buscar por sua amada independentemente de o que a razão social da época pregava. Cosmo também mostrou maturidade ao fazer de tudo pela melhora de seu avô, mesmo sabendo que talvez nada fosse adiantar.

Não quero ser mau nem nada, mas tinha começado a achar que minha mãe não era realmente uma boa mãe. Não só me deu um nome bem idiota, como também me deixou sozinho para lidar com várias situações com as quais sequer deveria ter que me preocupar. Eu era apenas uma criança. Não era justo. Não fui eu quem fez as malas e disse que estava indo embora, por mais que tivesse gostado de fazê-lo. Não se foge dessa forma só porque as coisas ficam um pouco difíceis. Eu, por acaso, acredito que, quando alguém tem responsabilidades, precisa ficar e encará-las.

A edição do livro é muito fofa, com a capa repleta de ilustrações que representam muito bem o enredo. As margens e espaçamentos dos textos são muito confortáveis para leitura e cada um dos capítulos é iniciado com o desenho de uma chave, assim como as divisões de cenas. Essa leitura foi muito especial para mim, de forma que recomendo para todos que estão em busca de algo envolvente, com verdadeiras provas de amor, amizade, fidelidade e confiança, e que mostra a importância de darmos valor àqueles que amamos.


Livro cedido em parceria com editora
para resenha e divulgação
Título original: Back to Blackbrick
Título: De Volta a Blackbrick
Autor: Sarah Moore Fitzgerald
Editora: Galera Record
Páginas: 240
Ano: 2016
Avaliação: ★★★★★♥
Sinopse: Cosmo precisa viajar pelo passado para entender o futuro.
O avô de Cosmo é a pessoa mais inteligente que o menino já conheceu. Isto é, até ele começar a perder a memória para o Alzheimer. Em um raro momento de clareza, no entanto, o avô entrega uma chave para o menino e pede que ele vá até o portão de Blackbrick, prometendo que o encontraria lá.
Ao entrar em Blackbrick, Cosmo entra também no passado de seu avô e tem a chance única de participar de suas memórias.

Comentários

  1. O nome Cosmo é super diferente ,mas bem legal.Aparenta ser um livro incrível e quero muito saber sobre as memórias de Kevin que Cosmo vê em sua viajem do tempo.Amei os quotes principalmente o segundo

    ResponderExcluir
  2. Oii! Adorei conhecer a obra, á mto não leio um livro tão bacana como este parece ser...
    Qro mto conhecer mais a fundo!
    Bjs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #108 | A Mamãe é Rock, de Ana Cardoso | Editora Belas Letras