Resenha #75 | O Papai é Pop 2, Piangers | Editora Belas Letras


De novo, de novo, de novo!
CRÔNICAS | 112 PÁGINAS | EDITORA BELAS LETRAS | CLASSIFICAÇÃO: 5/5+ | SARAIVA | SKOOB


Resenhas anteriores:
  1. O Papai é Pop #1

Piangers está de volta com mais crônicas divertidas e emocionantes repletas de lições, tanto as que ele ensina aos seus leitores quanto as que ele aprende com as filhas sobre as experiências de se tornar pai. Dessa vez, as meninas já estão um pouquinho mais velhas e Marcos nos prestigia com a oportunidade de acompanharmos suas novas descobertas.


Quero que você finja. Que se torne perita em simular doçuras. Que seja ótima em praticar bondades, em estabelecer empatias. Você já terá sido muito melhor do que eu. E quando menos notar, será aquilo que fingia ser. Será doce, bondosa e atenciosa.

Anita e Aurora continuam sendo as estrelas da obra e somos agraciados com relatos de um pai passando por diversas situações, desde a troca de fraldas, que é o mínimo que um pai deve fazer, passando pelas crônicas sobre ter o segundo filho, até conhecer o pai da coleguinha de escola da filha. Piangers continua aprendendo com a inocência das meninas, principalmente no que diz respeito a ficar no celular.


São contos fáceis de entender e divertidos em muitos momentos. Mesmo para quem ainda não entrou na fase da paternidade ou maternidade, essa pode ser uma ótima leitura. São contos bem curtos, divinamente escritos, que podem ser lidos em um único dia. Imagino que não seja nada fácil criar uma criança e Marcos deixa claro que as pessoas não comentam nada das coisas horríveis que acontecem, como choros incessantes, a dificuldade de alimentar essa pessoa tão pequenina e como é difícil o simples ato de fazê-la dormir.

"Tuas filhas te acham bonita?", a Anita perguntou pra uma amiga nossa. A Anita tem esse dom de fazer perguntas constrangedoras e aguardar a resposta sem esboçar nenhuma vergonha, enquanto eu enrubesço. "Não, eu acho que elas não me acham muito bonita, não". [...] "Mas tu faz carinho nelas? Tu fala que ama elas? Porque isso faz toda a diferença pra te acharem bonita".


Li o primeiro volume dessas crônicas e foi algo encantador, mas a leitura se mostrou ainda melhor no segundo livro. Em várias partes me emocionei e dei boas gargalhadas com as descrições. É possível imaginar cada uma das situações acontecendo, como se estivéssemos visitando a casa da família, compartilhando do dia a dia dos quatro.

O exemplar, mais uma vez, conta com uma edição fantástica que ficou a cargo da Belas Letras. A capa segue o mesmo padrão divertido da anterior, agora com cores mais vivas e marcantes. No interior, contemplamos uma variedade de ilustrações, tanto no início de cada capítulo, quanto interativas no começo e final do livro. A diagramação continua impecável, com cada capítulo tendo o próprio destaque. Não há do que reclamar em nenhum aspecto.

Os tempos são, cada vez mais, individualistas e mesquinhos. Contra eles, amor e abnegação. Ter um coração mole em um mundo cruel não é sinal de fraqueza, é sinal de coragem.


É uma leitura que recomendo sem restrições. Sem dúvidas, maravilhosas lições podem ser retiradas do livro e aproveitadas na vida real, independentemente de você já ter sua família ou não. Com certeza, vale a pena ler, pois não há espaço para arrependimentos. Em breve trarei para vocês a resenha de A Mamãe é Pop e teremos a família completa no blog! Enquanto isso, participem do nosso sorteio no Instagram, onde o vencedor receberá os três livros da família pop. Clique na imagem abaixo para participar:



INFORMAÇÕES TÉCNICAS
Livro cedido em parceria com a editora
para resenha e divulgação
Título: O Papai é Pop 2
Autor: Marcos Piangers
Editora: Belas Letras
Páginas: 112
Ano: 2016
Avaliação★★★★★♥
Sinopse: O papai é pop está de volta! Marcos Piangers vai colocar você no banco de trás do carro, ao lado das filhas Anita e Aurora, para contar novas histórias - algumas comoventes, algumas divertidas e outras talvez um pouco nojentas - sobre essa coisa absolutamente comum e extraordinária que é ser pai.
Um sentimento que não se pode explicar, não se pode entender. Só se pode viver. Porque você não vai ter um filho para obter vantagens, descontos, deduções do imposto de renda ou balões de graça sempre que for ao shopping. Um filho vai esgotar suas economias e minguar suas noites de sono. Vai sujar suas camisas novas e desenhar em suas paredes.
Você vai ter um filho, na verdade, por um único motivo: para aprender a amar outra pessoa mais do que a você mesmo.

Comentários

  1. O livro parece ser bom, uma pena não ter me despertado tanta atenção como eu gostaria...
    Boa sorte aos participantes!
    ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

[Divulgação] Zip Anúncios