22.6.16

| Resenha #66 | Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática

Livro cedido em parceria com a editora
para resenha e divulgação
Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática
Thalita Rebouças

Páginas: 272
Editora: Arqueiro

Se tinha um momento em que minha família inteira concordava era na hora de gostar da minha comida.

Sinopse: Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz.
O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa... O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes... Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor. [SKOOB]

  Hoje venho com a resenha de um livro fantástico publicado pela Editora Arqueiro. Acho que a maioria ficou sabendo sobre o mais recente lançamento de Thalita Rebouças, certo? Pois bem, eu já conhecia a escrita da autora através da leitura de alguns livros da série Fala Sério, quando ainda estava no ensino fundamental. Thalita é uma autora muito bem comentada e recomendada e disso não há dúvidas. Então é óbvio que fui correndo solicitar essa obra para conhecer mais uma história dela e, gente, essa mulher não decepciona!
No caminho, fiquei pensando nos meus amigos, no seu Inácio, nos meus problemas, nos problemas que todo mundo tem, na vida e em como ela pode acabar num segundo. E por isso nós devemos aproveitar ao máximo a convivência com nossos entes queridos. Não porque são família, mas porque a gente ama essas pessoas desde que a gente nasce. A gente se acostuma com elas e, de repente, descobre que elas são... humanas. Frágeis, suscetíveis a todo tipo de problema. Mortais.
  Esse livro nos traz a história de Teanira – que prefere ser chamada de Tetê –, uma garota de 15 anos apaixonada pela arte de cozinhar, que, desde cedo, teve que conviver com o bullying praticado por aqueles que gostam de sentir-se superiores e acreditam nos tão comentados padrões de beleza impostos pela sociedade. Tetê nunca foi uma garota vaidosa, nunca se maquiou, nunca arrumou as sobrancelhas e detestava a simples ideia de depilar as pernas. O colégio atual foi onde ela conseguiu inúmeros comentários “engraçadinhos” durante o ensino fundamental, mas as coisas pioraram quando ela se apaixonou pela primeira vez e, ao pensar ser recíproco, levou um dos piores foras.



  Entretanto, Tetê vê sua situação mudar em uma nova oportunidade de vida quando seu pai perde o emprego e, para não acabar endividado, vende a atual casa e a família passa a morar na casa dos avós de Tetê. A partir disso, ela começa a perceber o quanto a mudança havia sido uma ótima experiência para ela. A garota passou pelo nervosismo do primeiro dia de aula em uma nova escola e esse dia acabou por se tornar melhor que todos os anos anteriores. Claro que as dificuldades continuaram. Sempre tem um ou outro para colocar alguém para baixo, mas, com a ajuda de seus novos amigos (sim, agora ela tinha amigos e não cansava de repetir isso! *o*), Zeca e Davi, ela aprendeu a ignorar os comentários e não ser atingida por eles.
  O bullying é um tema muito sério que precisa ser abordado com mais frequência. As marcas psicológicas deixadas por essa agressão podem ser incuráveis e isso só piora quando o praticante é encorajado pelas risadinhas de amigos que acham tudo natural. Nesse livro, o bullying ganha vida através de Valentine e suas “seguidoras”. Valentine não lembra quando começou a ser assim, mas desde pequena aquilo que parecia tão certo fez parte de sua vida. Ela via aquela prática como uma forma de defesa das vezes que já havia sido vítima. Essa foi uma das coisas que mais chamou minha atenção. Thalita se preocupou em não criar só mais uma personagem cruel que maltrata por diversão, mas sim alguém com uma história e justificativas para tudo o que faz. Claro que isso não perdoa tais ações, mas é bom conhecer mais sobre um personagem assim.
  Confissões de uma garota excluída, mal-amada e (um pouco) dramática vai além de uma garota que sofre preconceitos. Tetê nos ensina a darmos valor à família e aos amigos, a importância do perdão na vida de uma pessoa e que um simples cuidado com nossa aparência pode provocar sentimentos incríveis e elevar a autoestima. Tetê passou a arrumar-se melhor e, com o apoio de Zeca, planejou uma alimentação saudável para perder os quilos ganhos durante a tristeza de ser invisível, não para agradar os olhos alheios, mas para sentir-se feliz com ela.


– Foi bem difícil suportar as "brincadeiras". Engordei oito quilos. Todo dia era leite condensado com sucrilhos no café da manhã. E eu comecei a fazer doces incríveis, né? Bolos, mousses, pudins... Fiquei mais calada do que já era, minhas notas caíram e eu só queria ficar na cama, comendo e chorando. Foi devastador.
  Todos os personagens me conquistaram de um jeito especial. Zeca é um garoto extrovertido que, assim como Tetê, já enfrentou a fase dos comentários maldosos, mas, com seu jeito alegre, passou desfilando por cima do bullying. Davi sempre foi excluído por ser nerd e apelidado de “quatro olhos”. Ele é um garoto que mora com os avós e foi vital na história para mostrar à Tetê o poder de abraçar quem se ama enquanto ainda há tempo. O irmão mais velho de Davi, Dudu (que rapaz fofooooo!), presenteou nossa protagonista com o real significado de amor verdadeiro. Sem contar a família maluca e unida que de vez em quando solta um comentário engraçado e dá ótimos ensinamentos.
  A única coisa que me desagradou um pouco foram as atitudes da mãe de Tetê nas primeiras páginas, que fez a garota ir à um psicólogo por não ser normal. Logo depois, descobri que essa “anormalidade” se dava justamente ao fato de Tetê não curtir ser vaidosa e ainda não ter namorado (como se fosse algo crucial namorar a partir dessa idade). Mas em seguida aceitei tudo isso como forma da mãe dela se preocupar com o fato de a filha quase nunca sorrir por ter vergonha de seus dentes. Fiquei mega feliz quando a garota compareceu à consulta, mesmo não querendo muito, e saiu de lá renovada.
Não demorou muito e elas saíram do banheiro. E me deixaram com perguntas na cabeça: o que eu tenho que causa tanto ódio? Tanto asco? E desprezo? Por que as pessoas ou me odeiam, ou têm nojo de mim, ou me ignoram?
  Confesso que está sendo bem difícil escrever essa resenha, pois foi uma leitura tão surpreendente, tão impactante, que tenho medo de não conseguir transmitir a grandiosidade da obra. A história é voltada para o público juvenil, mas quão bom seria se todos pudessem ter o livro em mãos e desfrutar de todas as lições que Thalita Rebouças descreve ao longo das páginas. Em muitas vezes me identifiquei com as cenas vividas por Tetê e por esse motivo adorei ainda mais vê-la superando tudo da melhor forma.


Lição daquela tarde: os mais velhos também fazem bullying. O mundo está perdido mesmo.
  O trabalho da Editora Arqueiro ficou per-fei-to (com muita ênfase). Mesmo com o título um pouco grande, a capa ficou harmoniosa e, ainda, muito fofa com ilustrações de objetos que fazem parte da vida e do cotidiano de Tetê. O interior do livro conta com uma diagramação impecável, tendo uma imagem muito bem elaborada no início de cada capítulo. A trama, narrada em primeira pessoa, possui algumas das receitas favoritas de Tetê, que aparecem no momento em que ela está preparando. Também temos uma edição especial para as trocas de mensagens entre os personagens.
  Enfim, espero ter conseguido falar o quanto essa leitura foi grandiosa para mim. Torço para que você dê uma chance ao livro e que ele também lhe agrade. E, se você já leu, conte-me como foi sua experiência. Recomendo sem medo. O final foi simplesmente fantástico, com verdadeiras confissões e lindos desabafos de Tetê. Terminei a leitura já com vontade de reler.

Avaliação:
5/5 + Favorito

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi, como vai?

    Conheço a Thalita e seu excelente trabalho, quanto ao livro, só tomei conhecimento dele dias anteriores. Como ainda não li não posso opinar, mas, gosto muito de ler sobre o mundo adolescente, e, depois da sua excelente resenha encontrei mais um bom motivo para ler o livro. Obrigada pela dica!

    http://www.cristinadeutsch.org/
    Saudações literárias.
    Beijos no ♥

    ResponderExcluir
  3. Hey, Fernanda!

    Nunca li nada da Thalita Rebouças e, apesar de ela ser muito elogiada e admirada pelo público teen, não tenho vontade de ler, não.
    Acho que por os livros serem juvenis, acabo não me animando muito.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu nunca li nada da Thalita mas morro de vontade!
    Gosto muitos de livros que retratam a fase da adolescência, dá uma nostalgia danada, rs! Acho que vou curtir acompanhar os dramas de tetê e o desenrolar da história. A autora parece ter tratado de um tema super importante como bullying de forma leve e que passe realmente algo para os leitores, tô curiosa para conhecer esse livro!
    Ótima resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. oi, tudo bem?
    que bom que você gostou tanto da leitura, é ótimo quando isso acontece. E realmente, o tema bullying deve ser debatido e devia ser obrigatório a leitura de livros agradáveis e mais juvenis sobre o tema, nas escolas.
    Eu confesso que não me interessei por esse livro, porque minha única experiência com a autora foi um conto, no qual os personagens me irritaram bastante. Acho que estou velha para ler Thalita, kkkk
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oie tudo bem? Nunca li nada da autora, mas confesso que fiquei extremamente curiosa por este lançamento e agora, depois da sua resenha, fiquei com mais vontade ainda de ler.

    ResponderExcluir
  7. Fê, como vc em falou é um livro pra um público mais teen, e eu não me encaixo... mesmo que ele valha para todas as idades, como vc frisou, eu não leria mesmo assim, pois não curto o estilo de escrita de Rebouças, nem o gênero do livro, mas achei bacana o fato dele ter te encantado tanto ^^
    bjs...

    ResponderExcluir
  8. Oi Feh!
    AI, ALGUÉM QUE ME ENTENDE!!!!
    Eu simplesmente amei esse livro, e isso me surpreendeu muito, pois se olharmos para a obra num geral, ela é bem juvenil. Mas acho que foi justamente isso que fez do livro algo tão incrível. A forma como a Thalita fala de coisa séria com cenas e palavras delicadas é a melhor coisa.
    Brasil, polo norte e China, leiam este livro!

    Beijos
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá! A capa desse livro está linda e a diagramação está linda também. Mas, a premissa do livro não me chamou atenção, na verdade, as histórias da autora não me atraem muito. Beijos!

    Entre Livros e Pergaminhos

    ResponderExcluir
  10. Eu li alguns livros da autora quando era adolescente e curti muito, me senti até nostálgica agora vendo esse livro e pensando como estou velha e a autora aina continua escrevendo seus livros.Me encantei por essa capa e leria sim o livro em uma tarde de final de semana, depois de ler livros mais pesados, u no meio de uma ressaca literária, pois, apesar do assunto tratado ser um tanto pesadinho, a leitura me pareceu ser leve e cativante e eu gosto de livros juvenis,hahaha.


    bjs

    ResponderExcluir
  11. oie como vai?
    eu li o livro também e gostei bastante da Tetê e de sua determinação, a escrita dela é ótima mas esse título é bem machista e quase nao leio por isso....

    ResponderExcluir
  12. Olá, ainda não li nada da autora, gostei da premissa e sua resenha me deixou curiosa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Oie
    uau jura que você gostou tanto? já eu quase que odiei o livro ahaha não gostei da protagonista e não consegui rir em nenhum momento por ter achado algumas situações bem tristes para ter sido levada no humor e muitas outras coisas mas bem legal sua resenha

    Beijo
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Estava atrás de um livro pra dar pra minha irmã de 12 anos, inicialmente pensei em Depois dos quinze, mas depois dessa resenha vai ser esse mesmo, ela não gosta muito de ler, vou tentar dar o da Bruna Vieira (que é uma blogueira que ela ama) pra depois introduzir esse novo livro. Sempre gostei dos livros da autora, espero que minha irmã também goste! <3

    http://www.pinkisnotrose.com/

    ResponderExcluir

© Psiu, vem ler!. Todos os direitos reservados.
Criado por: Fê Goulart.
Tecnologia do Blogger. | Voltar ao topo
imagem-logo