| Resenha #51 | Cisne, de Eleonor Hertzog | Editora Mundo Uno

Cisne
Eleonor Hertzog

Editora: Mundo Uno
Páginas: 726

Uma geração. Todas as decisões.

Sinopse: Unificada e em paz, a Terra se dedicou à ciência e à exploração espacial, descobrindo Tarilian, um planeta habitado inesperadamente próximo. As relações entre os dois mundos iniciaram corteses, mas rapidamente uma rivalidade inútil se estabeleceu, minando a amizade entre terráqueos e tarilianos. Um infeliz incidente diplomático piorou ainda mais as relações interplanetárias; a solução para o impasse se encontra no Cisne, um veleiro movido a energia solar que é um dos mais avançados biolabs flutuantes do planeta. O Cisne é também o lar da família Melbourne: os pais, Doris e Henry, são os biólogos marinhos responsáveis pelo barco; os filhos são sua irriquieta tripulação.
Sem saber que fazem parte de uma geração que decidirá o futuro do mundo inteiro, agora os jovens Melbourne precisarão dar o melhor de si para melhorar as relações entre Terra e Tarilian. [SKOOB]

  O Cisne é um veleiro solar – um dos mais avançados biolabs – tripulado pelo casal de doutores Melbourne, conhecidos como os melhores biólogos marinhos formados pela Escola de Champ-Bleux, que forma os mais renomados cientistas do mundo. Lá são realizadas importantes pesquisas marinhas feitas pelos biólogos Henry e Doris. Lá também é onde o casal mora há anos e onde cria os seus oito filhos, sendo eles Teo e Ted, Tim e Tom, Pam, Lis e Bobby, os legítimos, e a jovem Peggy, que fora adotada. Além do número grande de filhos, outro mistério ronda a família: ela possui duas duplas de gêmeos idênticos que são Teo e Ted, com 16 anos, e Tim e Tom, com 15 anos. Como os doutores conseguem manter a ordem em alto-mar, ninguém sabe.
  Nas primeiras páginas acompanhamos a chegada do veleiro no cais de Porto Alto, fato que acontecia anualmente. Pela multidão que os aguardava, ficava claro que os Melbourne eram diferentes dos demais cientistas, afinal, qualquer um que vinha de fora achava loucura quando alguém dizia que toda aquela gente era amiga do casal e de seus filhos. Durante cinco dias, a tripulação do Cisne – ou seja, a penca de filhos – divertia, ajudava e trazia diversas novidades aos moradores de Porto Alto.



  Mas nossa aventura começa mesmo quando os Melbourne ficam sabendo dos envelopes que continham o resultado da seleção para os novos alunos de Champ-Bleux. Quase todos haviam feito a inscrição e os mais variados testes necessários – com exceção de Bobby que, com oito anos, não tinha idade o suficiente. Tim era o mais empolgado com os resultados e foi o que convenceu os outros irmãos a tentarem também. Lis, de 13 anos, tinha certeza de que não entraria, pois, em 50 anos de Champ-Bleux, apenas uma pessoa da idade dela conseguiu ingressar na Escola, porém ela estava conformada com isso. O espanto é geral quando os envelopes são abertos e eles descobrem que todos conseguiram. Ninguém nunca soube quais eram os critérios de seleção da Escola, mas Henry e Doris sabiam que algo estava muito errado naquilo.
Jean assobiou. Era um veleiro solar enorme! O Cisne era um barco alto e elegante, com grandes estabilizadores laterais para compensar o volume e peso de mastros e velas. E que velas! [...] Quando prateadas, as velas solares refletiam a luz do Sol; quando negras, absorviam-na com impressionante eficiência, carregando os acumuladores que abasteciam o barco. Com uma área de captação tão grande, o Cisne devia ser um verdadeiro monstro em termos de reposição de energia. – Página 29
  Cisne é uma obra repleta de segredos e mistérios que vão muito além do que qualquer leitor é capaz de imaginar. Toda a história se passa em uma época onde o planeta Terra já evoluiu o suficiente para conseguir viver pacificamente. Descobrimos que não estamos sozinhos no universo. Um planeta localizado do outro lado do Sol possui uma tecnologia deveras mais à frente da nossa. A partir disso, os terráqueos começam a fazer de tudo para ultrapassar a ciência de Tarilian, em pleno momento cujos laços interestelares não poderiam estar mais frágeis.



  O livro foi cedido ao blog em parceria com a autora e, assim como uma parte dos leitores, confesso que fiquei levemente apavorada com o número de páginas do livro, porém como ele já estava entre os livros que eu queria ler, aceitei a parceria de imediato. Agradeço à autora pela oportunidade e confiança em nos enviar um exemplar de sua obra.
Olhou o céu negro, pontilhado de estrelas sem fim. Parecia poeira luminosa. Olhou o mar, tão negro quanto o céu. Não havia limite entre céu e mar. Não havia distância naquele negrume. Não havia nada. Era como estar fora do mundo... ou nem haver mais mundo. Só o Cisne. – Página 294
  Eu comecei a leitura bem empolgada. Esperava encontrar os doutores Melbourne com seus vários filhos viajando até a escola de Champ-Bleux. No entanto, surpresas vão surgindo, problemas aparecem cada vez com mais frequência e em maior intensidade e o que antes era para ser uma viagem tranquila acaba tornando-se um pesadelo. O contato com os tarilianos é de suma importância, mas está cada vez mais arriscado. O casal de biólogos, juntamente com Peggy, acabam se metendo em problemas sobre coisas que nem sabiam que existiam. E assim o leitor é apresentado a terrestres nervosos, tarilianos enraivecidos, repórteres, focas, golfinhos e mais uma infinidade de coisas que não daria nem para tentar explicar aqui.


Ninguém jamais esperaria que Loon deliberadamente escancarasse o elo, atirando-se no inferno junto com Peter. Seu mundo explodiu, cada célula de seu cérebro urrou de dor e cada partícula de sua mente se retorceu em agonia, mas fixou uma ideia em sua vontade, uma apenas, acima da dor de ter a mente rasgada pela dor do seu irmão: precisava PARAR! Havia um elo e Peggy estava na outra ponta! Peter precisava PARAR! – Página 431
  Infelizmente não pude aproveitar tão bem a leitura quanto gostaria. Muitas vezes o número excessivo de personagens acabou irritando um pouco minha paciência, pois, quando eu finalmente ficava aliviada por saber quem é quem sem trocar nomes e ter que voltar páginas, mais dez personagens surgiam. Claro que não é assim até o final do livro, então um pouco à frente da metade do livro já é capaz de se estar habituado com o enredo. No entanto, não foi apenas isso que desencorajou a minha leitura. Muitas vezes pensei em pular alguns capítulos para não precisar ler a mesma discussão entre Terra e Tarilian através de perspectivas diferentes. Quer dizer, às vezes isso é necessário para entendermos melhor, mas não foi esse o caso. Grande parte das cenas sobre isso era apenas a opinião dos outros futuros alunos de Champ-Bleux.
  Apesar dos pontos negativos, não foi uma leitura ruim. O livro causou, sim, um certo receio de aventurar-me em outros livros com número aproximado de páginas, mas a autora deu ao enredo de Cisne um final magnífico que me deixou curiosa pelo destino de certos personagens na continuação. Já outros personagens que não me agradaram tanto assim me fazem ficar em dúvida se leio ou não o segundo volume. No mais, dou parabéns à autora, que criou fortes ligações entre todos os personagens sem deixar nenhum ponto escapar. A trama realizada e todos os mistérios que a envolvem foram muito bem elaborados.



  O trabalho gráfico, que ficou por conta da Editora Mundo Uno, está fantástico. A capa e diagramação condizem perfeitamente com a história contada, porém acho que a revisão poderia ter sido melhor. Não encontrei nenhum erro grotesco, felizmente, mas algumas frases ficaram com palavras faltando e isso deixa um furo na citação, apesar de não tirar completamente o seu sentido. Os capítulos são intitulados e enumerados abaixo de uma ilustração do veleiro, mas muitas vezes encontrei o título “misturado” com o desenho. Alguns parágrafos ficaram excessivamente grandes – cheguei a encontrar um único parágrafo de uma página e meia – e isso muitas vezes cansava durante a leitura. O restante ficou maravilhoso.
  Apesar de ser uma obra muito bem comentada, acredito que para mim teria sido ainda melhor se a obra fosse dividida entre dois volumes. Todavia é uma leitura que recomendo para quem gosta de uma ficção científica intrigante, repleta de aventuras e mistérios. Agradeço à autora pela oportunidade em resenhar Cisne e peço perdão a todos pela demora em publicar a resenha. Espero que tenham gostado.

Avaliação:
4/5

Comentários

  1. Oi Fer, tudo bem?
    Eu já li esse livro há algum tempo atrás, e apesar de não lembrar todos os detalhes, sei que é uma obra maravilhosa. A autora escreve de um jeito fantástico, excepcionalmente por conta dos detalhes, já que o gênero aborsado precisa mesmo dessas características mais marcantes. Bom, sobre a divisão para dois volumes, eu também acho que poderia mesmo ficar mais interessante, afinal de contas, é muito extenso e tem muita coisa para o leitor perceber de uma vez só.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Tenho bastante curiosidade para ler este livro porque na sua resenha, dá pra perceber que ele aborda v´rios temas. Ao contrario de você, mesmo o livro sendo grande, eu ainda prefiro um volume único. Acho que a escrita detalhada, com muitas características, funcionam bem pra mim e é bem certo que vou apreciar o livro.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Fer, tudo bem?
    Li várias resenhas sobre Cisne já e em todas ouvi pontos semelhantes aos que você relatou.
    Acho a premissa da história interessante e isso me deixa curiosa pela leitura, mas o fato de ser um livro tão grande e de ser uma leitura um pouco cansativa em alguns momentos me desanima um pouco.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  4. Oiei Fê, tudo bem?

    Já tinha lido algumas resenhas desse livro, vejo só elogios, mas sabe, mesmo com todas essas qualidade, não é um gênero que eu gosto de lê, essa história de ficção científica intrigante, repleta de aventuras e mistérios mexe um pouco com a minha cabeça e eu acabo não entendendo nada. Mas para quem gosta é um prato cheio, né?

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. esse livro já tá bem comentado na blogosfera e todo mundo que faz resenha dele reclama da quantidade dos personagens. Eu tenho certa dificuldade de decorar nomes de muitos personagens quando eles são apresentados de uma vez, quando são apresentados aos pouquinhos, aparecendo cada em determinada parte da história, eu consigo gravar (como os livros de As Crônicas de Gelo e Fogo, por exemplo). Por isso que até hoje, apesar de ficar intrigada com a história, eu fico com pé atrás de me aventurar na leitura.

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  6. Olá Fernanda,
    Acho que Cisne é um livro que gera opiniões bastante distintas, vejo algumas pessoas gostando e outras não gostando tanto. Eu tinha muita curiosidade de ler o livro, mas, com o tempo, fui desanimando, sabe?
    Essa questão de muitos personagens é bastante complexa pra mim. Eu tenho dificuldade de me ambientar em livros assim. Outro ponto que não gostei foi você ter dito que quis pular alguns capítulos, pois as discussões eram em demasia.
    Enfim, acredito que, no futuro, eu vá ler o livro para poder ter uma opinião, sabe?
    Adorei sua resenha e sua sinceridade.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Amiga eu tenho a primeira edição desse livro e estou querendo até passar pra frente para poder comprar esse novo, porque sinceramente achei a capa nova mais linda que a primeira. E sinceramente também tenho interesse em ler esse livro, porque todos falam muito bem, apesar de alguns pontos que tu citou, pois eu já vi em outras resenhas também. Eu não gosto quando tem muita informação, porque isso acaba fazendo com que a gente se perca na estória, mas ao mesmo tempo é bom por conta pelo o andamento dos acontecimentos da estória e é as vezes necessário. Mas mesmo assim vou querer conhecer. Sua resenha ficou ótima. PARABÉNS!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/04/resenha-o-sol-e-para-todos.html

    ResponderExcluir
  8. Oi, Fernanda
    Esse é um livro que tenho muita curiosidade em ler. Realmente ouço muitos elogios, e fico feliz que tenha gostado, apesar das ressalvas. Alguns trechos parecem que são mais cansativos e já vi outros leitores citando isso.
    Espero ler ele em breve. Ótima resenha.


    ResponderExcluir
  9. Oie, já vi várias resenhas desse livro e sempre fico dividida entre ler ou não, o número de páginas assim como assustou você também me assusta e fico um pouco temerosa desse grande número de personagens. Um ponto que me chama bastante atenção na obra é o fato de envolver uma família bem grande, e eu adoro isso, espero que a relação deles seja bem explorada, o que já me daria um gostinho a mais para ler, mesmo ficção científica não sendo nem um pouco minha praia. Também acho que me incomodaria o fato de algumas palavras estarem faltando em alguns trechos, em fim, valeu pela dica, anotada embora não tenho ainda bem certeza se me arriscarei na leitura.

    ResponderExcluir
  10. Que pena que o livro não foi tudo aquilo que você imaginava. É muita coragem ler um livro com essa quantidade de páginas e chato ter muitos personagens a ponto de ficar perdida. Tô lendo um livro assim (A Guerra dos Tronos) mas ele ainda não me cansou (ainda). Teria sido melhor ser divido mesmo em dois volumes, mas eu teria coragem de ler porque amei a premissa e amo ficção científica! Sua resenha ficou ótima!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  11. Olá, eu já conheço o livor mas ainda não o li e morro de vontade. Eu também me assusto com a quantidade de páginas e acho também que seria melhor ser dividido em dois volumes. Apesar de achar que me confundiria no começo da história, acredito que depois eu conseguiria me achar no livro kkkk

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu to bem curiosa para ler esse livro, ele chegou esses dias aqui em casa, mas ainda não tive tempo de ler, mas estou com a expectativa alta e espero que a leitura me agrade e não me sinta frustrada, como você se sentiu as vezes. Amei a resenha, só aguçando a minha curiosidade para lê-lo logo.
    bjus

    ResponderExcluir
  13. Oie!
    Esse é um livro que fico na dúvida se é realmente bom, ou não. Já li diversos comentários positivos sobre a trama, e outros negativos. Ainda não senti aquela vontade de iniciar a leitura, e devido a isso, estou deixando de lado para começar. Quem sabe mais para frente eu fique com vontade.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

    ResponderExcluir
  14. Oi Fernanda, eu li o livro recentemente e gostei muito dele também, acho que contém uma trama maravilhosa e muito bem escrita. Mas concordo contigo que o número de personagens me atrapalhou um pouco, muitas vezes me senti perdida no meio deles. Mas mesmo assim estou bem curiosa para conhecer o segundo livro.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Já tem um tempo que escutei falar desse livro pela primeira vez e me interessei na hora pela história, pois me pareceu muito interessante e cheio de aventuras, mas recentemente tenho visto varias resenhas apontando as partes negativas... Como muitos personagens, diálogos repetitivos e etc. Mas acho que mesmo assim eu me aventuraria nesta leitura, pois me chamou bastante a atenção.

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  16. Olá.
    Achei encantadora a capa do livro e a diagramação das páginas. É super fofo ver o barco em tudo, hehe.
    Para quem gosta de ler livros como As cronicas do gelo e fogo e a quantidade de páginas e personagens não assusta, até acabou sendo um elemento a mais que me fez desejar ler o livro.
    Tenho ele em E-book no kindle há um tempinho, mas nunca criei coragem pra parar e ler ele. A verdade é que eu acho esse um livro muito grande para leitura digital, mas em breve o pegarei pra ler e tirar minhas próprias conclusões da obra.

    ~Cass

    Sesteto Literário

    ResponderExcluir
  17. Olá! Tudo bem?
    Bem, vamos por partes. Eu já ouvi falar desse livro há muito tempo e até cheguei a conhecer a autora pessoalmente em Bienal, mas a quantidade de páginas nunca me deixou de fato interessar pelo livro. Feio isso, mas verdade. Principalmente porque várias pessoas que leram o livro disseram que ele é bom, mas tem partes que poderiam ser cortadas. Eu sinto que vou desistir nas partes que deveriam ser cortadas, então nem tento (mesmo morrendo de curiosidade para saber o tanto de história que tinha para usar todas essas folhas).
    Nossa, eu super me identifiquei com você quando falou que ficou perdida com tanto personagem. Eu sou péssima para nome e sempre que o livro tem um monte de gente, eu me perco. As vezes tenho que anotar.
    E outro adendo que queria fazer: eles definitivamente não tinham televisão para ter esse tanto de filho. É isso. Beijo. hahaha Adorei a resenha, bem sincera e explicativa.

    ResponderExcluir
  18. Lendo sua resenha meio que lembrei de Game of Trones... o fato de ter muitas paginas e muitos personagens me fez desistir da leitura e acho que essa semelhança me faria desistir desse também. Se tivesse que voltar algumas vezes para gravar o nome de alguns personagens ficaria mais irritada do que curtiria a leitura.
    Que bom que mesmo com pontks negativos foi uma leitura válida para você. Acho que isso é o mais importante. E a premissa me pareceu super interessante então acho que valeria arriscar, quem sabe?
    Beijinhos,
    Lica
    http://amoreselivros.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #124 | China de Papel, de Fabiano Lima