25.12.15

A Verdadeira Bela, de Li Mendi

Aquele pequeno escorregão do meu pé dera um salto na minha enfadonha vida para um próximo ano mágico.

• Exemplar disponibilizado pela autora para resenha e divulgação.
• A resenha pode conter spoilers.

Título: A Verdadeira Bela
Autor: Li Mendi
Editora: Highlands
Páginas: 159
Avaliação★★★★★
Onde comprar: Loja oficial da autora
Sinopse: Nicole está prestes a entrar para uma agência de publicidade famosa e lá enfrentará o conflito entre a auto-imagem e a visão distorcida dos seus colegas a seu respeito. A pressão psicológica que acontece com bullying nas redes sociais será vencida por um grande amor, que surge para fortalecê-la e protegê-la de todos os preconceitos.
Fernando é admirado por seu dinheiro e poder, mas, no fundo, luta contra uma secreta baixa auto-estima. Com medo da própria imagem que forma no olhar do outro, ele se critica e se fecha. Até que um dia seu caminho se choca com o de Nicole e os dois aprendem juntos que o amor não é cego. Ele vê com clareza o que nem todos veem: a verdadeira beleza completa do ser amado.
Com muito bom humor, este livro irá tomá-lo do começo ao fim e envolvê-lo em uma estória que fala de um homem tentando entender o seu passado e de uma garota lutando pelo seu futuro. De repente, os dois se veem um de frente para o outro e descobrem a essência de um amor eterno.
        A Verdadeira Bela nos traz a história de Nicole, uma mulher que acabou de se formar em publicidade com louvor na Universidade Federal do Rio de Janeiro e que agora agarrará com unhas e dentes sua única chance de entrar para a equipe da True-B, uma das mais importantes agências publicitárias. Também encontramos Fernando, um cara forte, rico, de feições definidas e com uma insegurança que poucos conseguem enxergar. Nunca se envolveu profundamente com uma mulher. Suas relações duravam apenas uma noite, ou seja, podemos dizer que ele era uma versão do Charlie Harper – só que bonito. Curiosamente – ou não – Fernando é nada mais, nada menos que o dono da importante empresa True-B. Isso o leva a ser mais reconhecido por sua pequena conta bancária. Ambos possuem vidas completamente diferentes. Nicole é sonhadora, um tanto agitada em algumas situações e extremamente determinada em outras. Carrega a mágoa causada por um “falecido” ex-namorado e decide não se entregar tão facilmente a outro homem. Fernando tem uma vida confortável sendo um pai solteiro que precisa cuidar de seus trigêmeos – que ninguém sabe como conseguiram se formar, considerando que a mãe possuía dependência química. Como é de se imaginar, por conta da carreira, Fernando não tem muito tempo para os filhos, o que acarreta presentes e brinquedos novos sempre que uma viagem de negócios acontece.

                    •                    •




        Fernando também tem baixa autoestima e alguns pequenos problemas psicológicos e constantemente visita Flora, uma Terapeuta de Vidas Passadas, descobrindo assim que, em uma vida anterior, quase havia alcançado a felicidade através de Bela, a mulher por quem um dia fora louco de amor – mas que também era sua soberana, ou seja, na vida passada, Fernando era um escravo e possuía um romance com a noiva de seu dono. Porém viu sua amada escapar de seus braços quando o homem descobriu a relação e o castigou com a morte – mas antes que isso acontecesse, ele pôde ver, já aos prantos, sua Bela beijando o marido no altar. Atualmente, ciente de todos os acontecimentos ocorridos no passado, Fernando fica sempre em busca de sua Bela, cada vez perdendo mais as esperanças. E é quando Nicole cai em seu peito – literalmente – que ele vê a porta da felicidade se abrir. Com uma camisa branca suja de molho e batata palha, ele a convida para um almoço no dia mais importante da vida dela – a entrevista de emprego na True-B. Ela, desprovida de informações sobre sua empresa favorita, nem imagina que está diante do dono de tal e acaba revelando tudo sobre seu currículo e possíveis respostas para uma entrevista de emprego na tentativa de encantar o cara com seu humor. E é aí que tudo começa. Depois de um almoço, uma chegada na loja para a compra da camisa nova de Fernando e a retirada para o prédio da True-B, os dois se reconhecem, empregada e patrão, a Bela e a Fera.
   Virei-me de lado e trompei num paredão humano. A sequência foi quase instantânea: o calcanhar desprendendo do salto, a bandeja sendo arremessada para frente e a onda havaiana de estrogonofe voando pelos ares.
   Na minha cabeça, a cena parou como no filme Matriz e as gotas de molho e a batata palha flutuavam no ar.
   Havia um homem de negócios ainda limpo. Havia um homem do tamanho de um lutador peso pesado. Havia um homem de olhos azuis escuros cansados. A cada piscar, eu via uma camada interna. Faltariam muitas para ver depois. – Página 7
        Ok, sei que essa descrição sobre a obra ficou um tanto quanto extensa, mas ainda tive que me conter para não contar a história inteira. Fiquei tão empolgada para escrever essa resenha que senti medo por ficar totalmente enrolada no meio dela. Até a pouco tempo atrás, romance não era um dos meus gêneros favoritos, quase todos sabem disso. Li Mendi me apresentou um novo universo e me prendeu nele de modo que não quis mais para a leitura – imaginem quão grande foi meu sofrimento quando a história acabou. Ao que tudo dá a entender, é que Fernando é o foco da história, em busca de um verdadeiro amor. Essa coisa de vidas conectadas, almas gêmeas e tal nunca haviam me atraído – talvez pelo fato de eu nunca ter dado chance para uma obra com estes assuntos. Mas a Li caracterizou muito bem seu enredo, com um homem problemático, com medos e imperfeições. Agradeço a ela pela oportunidade de poder divulgar e resenhar A Verdadeira Bela.


Eu bem que gostaria de dar na cara dele, agora! Pisei firme de volta para a agência e abri a porta da sala com um vulcão saindo do peito, incorporada com a minha outra gêmea. Não falei até agora, mas sou do signo de gêmeos, tenho duas dentro de mim. A boa e a má. A boa tinha curtido bastante essa manhã e a má, sempre mais preguiçosa, acordara depois do almoço cheia de energia, no seu ritmo mais noturno. Ninguém podia compreender e Ísis já havia desistido desde o colegial de estudar minhas súbitas mudanças de humor de um minuto para o outro, como se um alter ego me tomasse. – Página 36
        A autora tem uma escrita divertida e com diálogos atuais. Um dos fatos que mais me encantaram foi a separação dos capítulos, alterando entre o ponto de vista de Nicole e Fernando, narrados em primeira pessoa. E me apaixonei pelo modo como Li Mendi contou toda a história. Em vários momentos, pareceu-me estar conversando com os próprios personagens, pois em alguns pensamentos, eles se referiam aos leitores, como se estivessem contando suas histórias para um amontoado de pessoas ou expondo o enredo de suas vidas em um blog pessoal. O título A Verdadeira Bela é um enigma para os que não conhecem o romance, pois deixa a brecha para que o leitor imagine mil e um significados.



        Ainda não sei bem se a obra possui uma editora ou se foi lançada de forma independente – peço perdão por isso –, pois no exemplar não há nenhum símbolo que represente uma editora, mas no marcador enviado pela autora tem o logo da Editora Highlands. Peço, então, para que alguém me explique essa situação, se possível. De qualquer forma, a edição da obra está bem simples. As folhas são brancas, a fonte é em um tamanho ótimo para leitura. Os capítulos se iniciam na mesma folha do final do anterior; são numerados e possuem, entre parênteses, o nome do personagem que estará narrando. A capa é apaixonante, apesar de eu achar que a palavra Bela ficou em um tamanho muito grande enquanto Verdadeira quase não é notado para quem vê a capa de longe. A revisão está maravilhosa. Não encontrei nenhum erro de digitação, gramática ou concordância – e, se tinha, passei por cima sem ver.
        Tudo nesta obra está perfeito, desde a construção dos personagens até cenários que giram em torno do Brasil e que, às vezes, saem por outros países. Li Mendi me provocou várias emoções com seu enredo, de modo que este se tornou um livro que levarei para sempre na memória. Li é conhecida por seus romances arrebatadores e fiquei feliz por receber a chance de me tornar sua próxima fã. Agora estou louca de ansiedade para conhecer outras obras da autora. Se alguém aqui já leu, compartilhe sua opinião comigo e, quem não leu, espero que curta quando tiver a oportunidade! Recomendo para todos os apaixonados por um espetáculo romance.

6 comentários:

  1. Oi, em alguns momentos a história me dez lembrar da novela Beth a feia, a premissa não me agradou, por isso não fiquei com vontade de ler a obra.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oiii, guria eu adoro os livros da Li Mendi, e a escrita dela me encanta tanto, quero muito ter a oportunidade de ler este livro, está na minha lista um tempinho já, adorei a resenha.
    Beijos ❤
    http://segredosliterarios-oficial.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei sua resenha, que um tanto pouco extensa, me deixou curiosa para saber mais da história.
    Beijos

    http://myself-here1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Seu Post tá muito bem feito!
    Arrasou na resenha,Parabéns.
    Fiquei super curioso pelo livro.
    Bjo

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oii,

    Que linda essa capa hein!!
    Fiquei bem interessada no livro. Gostei do da historia e já coloquei na minha lista de leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá :)
    Curiosíssima sobre esse livro e sendo de uma autora nacional fico mais empolgada ainda!
    Beijos,

    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© Psiu, vem ler!. Todos os direitos reservados.
Criado por: Fê Goulart.
Tecnologia do Blogger. | Voltar ao topo
imagem-logo