Resenha: Destemida


"A história da australiana de 16 anos que deu a volta ao mundo sozinha em um barco."

• Livro cedido pela Editora para resenha.

Título original: True Spirit
Autor: Jessica Watson
Editora: Belas-Letras
Páginas: 352
Sinopse: Depois de 210 dias no mar e 24.285 milhas náuticas em seu barco, Jessica Watson, uma australiana de 16 anos, retornou triunfante ao porto de Sydney. Ela se tornou a pessoa mais jovem a velejar sozinha, desassistida e sem paradas, ao redor do mundo. Contado nas próprias palavras de Jessica, Destemida mostra a infância, as inspirações, os anos de planejamento para a viagem e o que aconteceu desde a conquista do "Everest da navegação". Uma história inspiradora, que prova definitivamente que todos nós temos o poder de viver nossos sonhos  não importa quão grandes eles sejam.

•                    •                    •



     A autobiografia intitulada Destemida, escrito pela australiana Jessica Watson, foi publicado no Brasil pela Editora Belas-Letras no ano de 2015. Em sua biografia, Watson conta sua infância, convivência com a família e inspirações até anunciar ao mundo seu sonho de viajar sozinha em um barco. Com um total de 352 páginas, o livro alcançou a nota 3,8 no Skoob.

"A vida é uma aventura ousada ou, então, não é nada."

     Seguir seus sonhos quando todos querem te convencer do contrário não é fácil. Pessoas te desencorajando por ter a idade que tem ou simplesmente por ser uma menina. Ver pessoas do mundo todo tentando desanimar sua família enquanto você tenta provar seus argumentos... Por tudo isso Jessica Watson passou quando, aos 12 anos, resolveu que seu novo objetivo era realizar a própria circum-navegação, sozinha e desassistida.
     Pensar em uma coisa dessa imensidão aos 12 anos de idade parece loucura. Foi o que os pais dela pensaram quando Jessica anunciou seu sonho, os obrigando a imaginar que tudo aquilo era algo passageiro e logo a menina desistiria da ideia. Mas sua determinação para levar o sonho à diante os convenceu de que era realmente aquilo que ela queria. E, aos 16 anos, Jessica Watson finalmente conseguiu provar àqueles que subestimaram sua capacidade que perseguir objetivos nunca é impossível, não importa o tamanho de seu sonho.
Muitos pensamentos passavam por minha cabeça, mas um deles foi mais insistente. No dia anterior, algo incrível havia acontecido: o incrivelmente bem-sucedido milionário britânico e renomado aventureiro Sir Richard Branson me enviou votos de confiança. [...] Em momentos assim eu me beliscava para ver se não estava sonhando. Nunca imaginei que atrairia tanta atenção midiática nem que alguém tão famoso quanto Richard Branson falaria a meu respeito. – Página 86

     Mas fazer essa navegação acontecer não foi nada fácil. Desde as fotos coladas nas paredes e os livros sobre o assunto até voltar para casa depois de uma volta ao mundo, Jessica passou por muita coisa. E algumas das mais difíceis provações foi conseguir um barco, conquistar patrocinadores e fazer seu pai acreditar verdadeiramente que essa era uma ótima ideia.
     Para cada um desses itens, a garota teve ajuda de pessoas de todo o mundo, que viajaram por longos dias para encontrá-la, que se tornaram especiais e que estiveram sempre ao lado dela. Pessoas que se encantaram com a história e a empolgação da menina e se surpreenderam com sua persistência cada vez maior. Jessica Watson recebeu desde o devido treinamento para estar sobre as águas até a preparação para encarar a mídia. 



Algumas pessoas tem comentado no blog que deve ser ótimo ver outros veleiros por perto de vez em quando, mas não posso dizer que concordo com isso. É claro que é bom conversar conversar pelo rádio e descobrir de onde eles vêm e para onde vão. Mas só fico realmente confortável quando a Ella's Pink Lady e eu temos o oceano só para nós. Sempre que um pedaço de terra surge nas cartas náuticas, isso é um peso em minha mente, e quase me sinto um pouco claustrofóbica. – Página 128
     Quando a editora anunciou o lançamento de Destemida, li a sinopse e fiquei muito empolgada para ler, pois eu sabia que, por mais que se tratasse de uma autobiografia, sentiria aquela sensação de que era tudo uma fantasia. Sempre ouvi pessoas dizendo “Persiga seus sonhos! Não desista de seus objetivos”, mas claro que, se alguém me dissesse que sonhava em viajar sozinha em um barco, eu a chamaria de alienado. Ler algo de uma pessoa que realizou esse feito com triunfo me abriu os olhos para que eu realmente acreditasse em meus próprios sonhos.
     Desde muito tempo, sempre quis ser fotógrafatanto que faço todos em casa enlouquecerem quando elogiam minhas fotografias aqui no blog, haha –, mas algumas pessoas chegaram a me dizer que não é uma profissão bem-sucedida e parte de mim quis concordar. Mas Jessica, em suas escrituras, me mostrou que eu posso, sim, ser o que desejar e a outra parte de mim se fortalece cada vez mais, acreditando em tudo isso. Ui... palavras profundas, haha. 
     Porém, por mais que este lançamento transmita todo o sentimentalismo dos ensinamentos, confesso que demorei para desenvolver a leitura. Biografia não é algo que tenho o costume de ler e deve ser por esse motivo que a história não me prendeu tanto assim. Todavia, foi ótimo acompanhar o crescimento da australiana, tanto na idade quanto na maturidade. Antes dos 16 anos, ela já se viu obrigada a lidar com entrevistas ao vivo, câmeras por todos os lados e visitas inconvenientes de jornalistas que queriam especular sua vida fora das águas. E isso, ao meu ver, é uma grande responsabilidade.



     Tenho que pesquisar novos adjetivos para cada vez que for publicar resenhas da Belas-Letras. Quem acompanha as outras aqui, sabe que sempre elogiarei os livros da editora. Mas, como nada na vida é totalmente perfeito, em Destemida achei pequenos, mas muito breves, erros de digitação. É o primeiro livro da editora com um maior número de páginas que eu leio, então os deslizes quase passaram despercebidos.
     O livro possui folhas amareladas e uma fonte pequena. Pela metade do livro, um espaço é cedido para as imagens fotografadas pela velejadora durante a viagem. Fotos de enormes e assustadoras ondas podem ser encontradas nesse campo. No início do livro, uma carta mostra os trajetos percorridos por Jessica desde 18 de outubro de 2009 ao dia 15 de maio de 2010. Nas últimas páginas, são listados os patrocinadores da circum-navegação tal como um glossário, com alguns termos náuticos – extremamente útil para mim.
Eu odiava os pesadelos que tinha quando as condições do mar eram adversas ou nas partes mais difíceis da viagem, quando estava realmente cansada. Na metade das vezes, eu não lembrava direito o que sonhara, mas acordava com a mente confusa. [...] Por alguns segundos, eu não sabia onde estava. Experimentava um sentimento de impotência, como a sensação de ser arrastada por uma corrente. Queria lutar contra aquilo, nadar no sentido contrário, mas não conseguia. Odeio esse sentimento de fraqueza. De certa forma, era esse o motivo da minha viagem. Eu queria assumir o controle de minha vida em vez de simplesmente ser levada por ela. – Página 151



     Apesar de não ter aproveitado muito a leitura, não posso dizer que foi uma experiência ruim. Afinal, como já disse anteriormente, ótimas lições podem ser aprendidas com a história de Jessica Watson. Queria eu ter a coragem que ela teve para agarrar o sonho tão nova, apesar de muitos quererem o contrário.


Jessica Watson nasceu em 18 de maio de 1993, na Austrália. Ganhou oito prêmios internacionais, entre eles o Sport Australia Hall of Fame e o Australian Geographic Society's 2010 Young Adventurer Of The Year. Jessica é representante do World Food Programme, ligado à ONU.

Comentários

  1. Oie!

    Biografia não é meu gênero preferido, mas esse livro eu leria! Que coragem a dela, aos 16 anos, se eu fizesse isso, com certeza iria surtar! haha Mas é sempre bom seguir nossos sonhos :)
    Adorei a resenha!
    Beijos

    www.notavelleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Não sou muito fã de biografia, provavelmente acho que por essa motivo que não gostei muito do livro, não dele em si, pois ele é lindo, mas por conta do gênero, mas sempre é bom falar de sonhos, pois é uma coisa que sempre nos motiva, até por que costumo falar que é através dos sonhos de outras pessoas que nós podemos sonhar mais. Enfim, adorei o post, ótima resenha! Abraços e fique com Deus.

    Vinícius,
    www.ancoradepapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bom?
    Não sou fã de biografia, mas esse livro me chamou atenção algo como seguir seu sonho e realizar, quando li a sinopse também me chamou atenção, adorei sua resenha explicando bem o livro, fiquei pensando do tamanho do sonho e a maturidade para viajar sozinha, é algo incrível! Também amo a fotografia e já pensei em ser fotógrafa mas não desiste viu haha :D
    Beijos
    www.doceliterario.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, Fernanda! Apesar de ter achado a história da Jessica bem interessante, não sei se leria sua biografia.
    Beijos!
    http://www.entreleitores.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, a premissa me parece ser bem interessante, só não gostei muito da capa.
    Adorei a resenha
    Abraços
    https://litaralmentelivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi falar desse livro e li algumas resenhas. Achei incrível, e desejo ler essa história em breve.
    Diagramação ficou inda, mas também toda essa história merecia.
    Adorei sua resenha.

    LETRAS COM CAFEÍNA

    ResponderExcluir
  7. Ola Fe estou com o livro em casa e quando vi o lançamento já me interessei, afinal seria uma grande aventura e muitos desafios a serem vencidos. As fotos do livro estão lindas. Em breve vou ler também , gostei da mensagem do livro que incentiva a ir em busca de nossos sonhos. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Xára!
    Não conhecia esse livro, e mesmo não fazendo muito meu estilo, leria numa boa =) Pois parece ser bem legal.

    Bjs,
    Fernanda

    amigadaleitora.com

    ResponderExcluir
  9. Só hoje parei pra ler sua bio e ri. Ok, Goulart! Se assim prefere, assim será. rsrsrsrs
    Não me interessei por esse livro porque achei meio surreal. Não acho que com 16 anos a gente tem maturidade nem pra dar a volta ao mundo de avião, ainda mais sozinha num barco. Previsível ter bastante foto, acho que enriquece o livro. Mas erro de revisão é desamor! rsrsrsrs
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  10. Curiosamente assisti essa semana ao documentário MAIDENTRIP, sobre a história de Laura Dekker que, aos 14 anos, decidiu tentar o título de pessoa mais jovem a dar volta ao mundo navegando sozinha. Porém, acho que ela não competiu diretamente com Jessica Watson, pois Laura fez várias paradas durante a viagem. Se quiser conferir a resenha que escrevi sobre o referido documentário em meu blog:

    www.150filmesporano.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

[Divulgação] Zip Anúncios