Resenha: Mensageiros da Morte




    O "Chefe", dono da maior empresa de armamentos do mundo, percebe que uma guerra em nível mundial é tudo que ele necessita para que seu império se recupere.
    Com a maestria de um especialista, aguça a ganância e o ódio nas pessoas certas, preparando terreno para um grande confronto armado.
    Com uma rede de intrigas e compra de favores entre os altos escalões dos principais governos do mundo, o "Chefe" age como um fantasma, derrubando mitos, espalhando o terror e derramando sangue inocente a  cada passo dado.
    O fim do mundo, como conhecemos, aproxima-se, e só uma questão é essencial: quantas almas se é capaz de ceifar por ganância?


•                    •                    •


    O livro Mensageiros da Morte é o romance de estreia de Marcos de Sousa, autor de Coração de Vidro. Publicado pela APED – Apoio e Produção Editora Ltda. com um total de 168 páginas, já conquistou a nota 4,5 nas avaliações da rede social para leitores Skoob.
    Qual é a única escolha para restaurar uma empresa em decadência? Chefe é dono de uma grande empresa de armamentos que está prestes a cair. Algo precisa ser feito antes que um enorme investimento seja esquecido. Um evento tão grande quanto a grande guerra não seria má ideia. É com este pensamento que Chefe procura Antenor, o sócio de uma das maiores empresas petrolíferas brasileiras com uma tentadora proposta, impossível de ser recusada.
    Quando os planos começam a ser postos em prática, importantes monumentos históricos e culturais começam a ser destruídos em várias partes de todo o mundo, inclusive o Cristo Redentor, o mais conhecido ponto turístico do Rio de Janeiro. O mundo é um perfeito cenário de guerra: sangue, mortes, destruição, Síria e Irã acima do restante da população; tudo isso leva à criação de um grupo militar especial; os Mensageiros da Morte.

Três segundos. Dois segundos, um... O mundo acabara de mudar. Nova era. Os pedregulhos voavam por todos os cantos. Em todo Rio de Janeiro era possível ver reflexos da explosão. Não era ano novo, mas as luzes originadas da pólvora iluminavam a cidade. – Página 10


    Treinados para invadir o campo inimigo e massacrar qualquer um que aparecer pela frente, o time é formado por oito homens que, além de sofrerem com a batalha, passam por constantes xingamentos vindos de seu general, Pedrosa, como forma de incentivo. Ao longo da história, alguns deles vão ficando para trás.

    Durante todo o processo idealizado por Chefe, podemos conhecer Enzo Peixoto e Thiago Ferris, personagens com personalidades totalmente diferentes, mas que no final se veem com um mesmo objetivo. Enzo é um policial militar, afastado de seu cargo no BOPE, largado pela mulher e sendo obrigado a abandonar seu filho. Inscreveu-se para fazer parte do exército enviado para a Síria antes que acabasse morrendo na sarjeta. Thiago é o filho do dono da empresa petrolífera. Só se preocupa com baladas e com o dinheiro dado por seu pai. É enviado para o combate contra sua vontade, por influência de Antenor; tudo como parte do plano. 

Pedrosa, imediatamente, olhou para trás, na direção de seus subordinados e os viu lutando bravamente. O exército sírio ganhava terreno e estava a alguns metros de todos, mas os Mensageiros da Morte não desistiam. [...] – Página 137

    Este livro chegou até mim através do próprio autor, devido a nossa parceria. Antes, eu apenas via as divulgações nas redes sociais. Arrependo-me de não o ter lido antes. Iniciar essa leitura foi uma de minhas melhores escolhas. Cada página era um novo sentimento e eu ainda não sei o que realmente sinto pelos personagens – mas posso afirmar que Enzo é meu favorito. Tirem o olho. Só quem me viu durante a leitura sabe meu desespero quando as últimas folhas foram se aproximando. 


Sua memória foi voltando aos poucos e percebeu que estava em um hospital. Lembrou-se de Henrique, de suas palavras e do acidente. Ele entrou em desespero, o coração acelerou e o aparelho que estava ao seu lado esquerdo começou a apitar estridentemente. Sentia como se uma mão segurasse sua garganta, impedindo que a voz saísse. Lutava contra si mesmo, contra a dor que voltava a se fazer presente e contra o desespero. – Página 33


    O livro é narrado em terceira pessoa. Para alguns – como eu, com uma memória que não é das melhores – o começo pode ser bem confuso, pois são narradas várias histórias divergentes, mas que no final farão todo o sentido. Cada personagem foi construído com o maior cuidado e atenção, sendo possível se apaixonar um pouquinho por todos. Segundo o autor, em breve será lançado um conto sobre os Mensageiros da Morte e eu, com certeza, estarei aqui para conferir.
    Adorei a ideia do Marcos ao escrever esta obra. Inspirando-se em nosso cotidiano, ele nos apresenta a realidade – e, muito possivelmente, o futuro, considerando o jeito como as coisas andam – da melhor maneira possível. Infelizmente, as guerras políticas e sociais são cada vez mais constantes em nossas vidas. Milhares de pessoas inocentes perdem suas vidas diariamente por conta de outros gananciosos por poder, e o autor tratou exatamente isso.

    Todo o livro está impecável e a única falha aconteceu por parte da Editora APED em algumas partes da revisão e o nome na lombada do livro. Mas os erros são pequenos e acontecem de forma tão rara que podem até passar despercebidos. Com folhas brancas e fonte de tamanho mediano, a leitura flui de modo que o leitor não quer mais larga-lo. 


    Mensageiros da Morte deveria ser uma leitura obrigatória para todos aqueles apaixonados por derramamento de sangue com um toque de realidade. A escrita do autor Marcos de Sousa é arrebatadora, fazendo o leitor não perceber o decorrer da leitura até que chegue ao final. Acho muito bom a continuação já estar sendo escrita, pois a situação fica complicada depois de ter lido o epílogo.

– Enzo, corre. Eles chegarão em breve. Eu aceito o meu destino.


Comentários

  1. Olá, Fê.
    Em primeiro lugar, muito obrigado por ter dedicado um pouquinho do seu tempo para ler e resenhar o meu livro. Só isso já me deixa para lá de feliz.
    Fico ainda mais contente porque a obra te agradou tanto. Acho que essa é a maior satisfação de quem escreve: saber que suas palavras mexeram com alguém.
    Espero que você goste da continuação e dos contos que vão surgir tanto quanto gostou de Mensageiros da Morte.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  2. Nossa pela sua resenha o livro parece realmente excelente, com certeza vai para minha lista e logo logo pretendo adquirir o meu.

    ResponderExcluir
  3. Olá !

    Ainda estou rindo do "tirem o olho", não tem coisa melhor que conhecer um personagem apaixonante. Adoro fantasias, mas quando os escritores sabem colocar um pouco da realidade no enredo, por quê não? Fico feliz que o autor tenh conseguido fazer isto.

    Abraços.
    Blog Leitura Assidua ♥

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Eu já vejo esse livro na minha estante! Você disse que é leitura obrigátoria para apaixonados por derramamento de sangue com realidade, acho que preciso ler logo então..

    Abraços, Heitor Botti
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, este livro me interessa muito.
    Parece ser um livro de suspense e terror ótimo, quero mto ler. Gostei da resenha. Abraços

    http://bookdan.blogspot.com.br/2015/07/resenha-de-cidades-de-papel-de-john.html

    ResponderExcluir
  6. Que livro em! Simplesmente adorei...resenha, capa, sinopse. "Mensageiros da Morte deveria ser uma leitura obrigatória para todos aqueles apaixonados por derramamento de sangue com um toque de realidade." (Adoro!)
    Valeu a indicação. Onde posso comprar?
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lu!
      Que bom que gostou! Ele realmente é ótimo. Vale muito a pena ler.
      Você pode comprá-lo através do blog do autor.
      É só clicar aqui: Desbrava(dores) de Livros

      Beijos e obrigada pela visita. ♥

      Excluir
  7. Olá!
    Caramba que livro interessante. Nunca vi uma premissa assim.
    A história parece ser bem original e emocionante.
    Adorei a sua resenha.
    Dica anotada.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Não tenho uma boa experiência com a Aped, li um livro mal revisado e prefiro evitar. Mesmo se não fosse por isso, não me interessei pela premissa, apesar de a capa estar bem atrativa (só destoa a logo verde).
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #124 | China de Papel, de Fabiano Lima