Resenha: Extraordinário

Créditos pela imagem: Sobre Sagas

Sinopse:
August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.


Título original: Wonder
Autora: R.J. Palacio
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Gênero: Drama, ficção.
Lançamento: 2013
Nota:







Extraordinário, livro escrito por R.J. Palacio e lançado no Brasil pela Editora Intrínseca.

Para ser bem sincera com vocês, enquanto eu escrevia essa resenha ainda não tinha terminado de ler. Estava nas últimas páginas, mas já tinha opinião formada sobre todo o livro e, na medida que eu estava lendo, tinha certeza de que nada mudaria a minha opinião sobre a obra. Então, assim que terminei a leitura, há dois dias atrás, vim correndo escrever essa resenha.

O livro fala, basicamente, de um menino com uma síndrome genética que, por um deslizar do Universo, teve seu rosto totalmente deformado. August Pullman, ou Auggie, passou parte de sua infância dentro de um hospital. Desde seu nascimento precisou passar por cirurgias. Algumas na tentativa de corrigir os problemas faciais. Sempre na companhia de seus pais, Isabel e Nate, e de sua irmã, Olivia. E nessas circunstâncias, ele nunca havia frequentado uma escola, até completar seus 10 anos.

Acho que devia haver uma regra que determinasse que todas as pessoas do mundo tinham que ser aplaudidas de pé pelo menos uma vez na vida. Página 237.

Segundo o personagem principal, o próprio August, o motivo de ele não ser matriculado em uma escola não se dava ao fato de possuir uma feição ao qual as outras pessoas não estavam acostumadas. Eram as frequentes cirurgias, dores e complicações médicas que o impedia. Mas tudo isso, o mundo de Auggie, mudou completamente quando seus pais - inicialmente, apenas sua mãe - acharam que seria melhor para ele que fosse matriculado em uma escola.

A partir daquilo, várias coisas aconteceram. Amigos passaram pela vida dele, pessoas que, apesar do tempo que levaram para se habituar com o garoto, o apoiaram e se tornaram seus verdadeiros amigos. Mas, com isso, também vieram aquelas que nem sequer tentavam esconder o horror que sentiam ao vê-lo pela primeira, segunda, terceira vez.



O que eu mais gostei - se é que posso citar apenas uma coisa - nesse livro foi a forma como a autora criou o personagem August. É uma história envolvente. Uma total lição de vida. Você se vê tomado pelo personagem. Você vive com ele. Consegue sentir o que ele sente na medida que vai lendo. Você se imagina no lugar de um menininho de dez anos cheio de problemas e que, mesmo assim, mantém a cabeça erguida - figurativamente - e passa por todos esses problemas sem se deixar abater por completo.

Também é possível aprender várias lições com a irmã de August, Olivia "Via" Pullman. Por exemplo: por mais que eu sempre tenha sido ensinada a sempre agradecer por tudo que tenho ou conquisto, com esse livro aprendi a nunca reclamar de algo que não tenha saído do modo como eu queria ou esperava. E isso aconteceu principalmente nos capítulos de Via.

(...) Mas a questão é que eu apenas entendia que reclamar não adiantava nada. Eu vi August depois das cirurgias: seu rostinho inchado e enfaixado, seu corpinho cheio de cateteres e tubos para mantê-lo vivo. Depois que você vê alguém passando por isso, parece loucura reclamar por não ter ganhado o brinquedo que pediu ou porque sua mãe perdeu a peça da escola. - Página 89.

Uma das coisas que são bem interessantes no livro em si é o modo como ele é narrado. Cada personagem que tenha destaque na história ganha seu capítulo - ou parte - com seu próprio ponto de vista. Eu achei isso ótimo, pois você pode ver "os dois lados da moeda", as várias versões da história. 
A não ser que você tenha problemas em ler textos com erros ortográficos - mesmo sendo eles propositais. Aí você terá complicações lendo uma das partes. Para falar a verdade, eu ainda não entendi o motivo de o capítulo ter sido publicado daquele jeito (foto mais abaixo). Quando comecei a ler, achei que tinha realmente sido um erro de publicação, mas ao folhar algumas páginas, fiquei curiosa ao perceber que todo o capítulo estava daquele jeito: sem nenhuma letra maiúscula, seja depois de pontos, no início de parágrafos ou em nomes próprios. E, por incrível que pareça, isso me ajudou a me desprender um pouco dessa fixação que tenho por corrigir pessoas ou textos cada vez que alguém erra gravemente.



Mas tirando isso, foi a história com a qual eu mais me envolvi e isso me levou a lê-lo em poucos dias. Arrependo-me de ter demorado tanto para iniciar a leitura e envergonho-me por não tê-lo lido em poucas horas. É um livro que, com certeza, eu indico e é merecida toda a fama que ele possui. Agora, eu estou louca para ler 365 Extraordinário, mas não falarei sobre ele aqui. Do contrário, estenderia demais a resenha.
No momento em que estou publicando essa resenha, digo que já terminei a leitura. Terminei em meio a lágrimas, então já podem ir se preparando, pois a emoção é grande.

Eu também gostaria de dizer que nosso blog está participando da seleção de parcerias da Companhia das Letras. Torçam por nós. ♥
Siga a nossa página no Facebook e fique sabendo de todas as novidades do blog.

Comentários

  1. A resenha ficou ótima e só me deixou com mais vontade ainda de ler o livro. *-* Estou torcendo pelo blog, sempre!
    Beijos !

    ResponderExcluir
  2. Eu li esse livro e amei.
    Ele é lindo, encantador, deslumbrante e nos faz refletir sobre a vida. Muitas vezes julgamos pelas aparências e tornamos isso lei.
    Excelente resenha.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de janeiro. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é muito amor mesmo!!!
    Adorei a resenha!!

    Perfeita!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu li e reli esse livro e ele é realmente extraordinário, a história além de linda trás lições em cada palavra escrita que nos fazem refletir sobre a vida!
    Parabéns seu blog é lindo *------*

    Beijocas www.meudivaporcalsousa.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha #108 | A Mamãe é Rock, de Ana Cardoso | Editora Belas Letras